Conteúdo impróprio

Os utilizadores do Display & Video 360 têm de agir em conformidade com esta Política do Google Ads. Visite o Centro de Ajuda do Display & Video 360 para conhecer as restrições adicionais.

A Google valoriza a diversidade e o respeito pelos outros e tenta evitar ao máximo ofender os utilizadores, como tal, não permite anúncios ou destinos que apresentem conteúdo chocante ou promovam ódio, intolerância, discriminação ou violência.

Abaixo encontra alguns exemplos do que deve evitar nos seus anúncios. Saiba o que acontece se violar as nossas políticas.

As violações das políticas abaixo não levarão à suspensão imediata da conta sem aviso prévio. Será emitido um aviso, pelo menos, 7 dias antes de qualquer suspensão da conta. Saiba mais acerca de contas suspensas.

Conteúdo perigoso ou depreciativo

A Google não permite o seguinte:

Conteúdo que incite ao ódio, promova a discriminação de ou rebaixe um indivíduo ou um grupo de pessoas pela sua raça ou etnia, religião, deficiência, idade, nacionalidade, situação militar, orientação sexual, sexo, identidade sexual ou qualquer outra caraterística associada a discriminação ou marginalização sistémica

Exemplos (lista não exaustiva): conteúdo que promove grupos de ódio ou artigos relacionados com grupos de ódio; conteúdo que incentiva outras pessoas a acreditar que uma pessoa ou um grupo é inumano, inferior ou passível de ser alvo de ódio.

Conteúdo que assedia, intimida ou persegue um indivíduo ou um grupo de indivíduos

Exemplos (lista não exaustiva): conteúdo que seleciona uma pessoa para ser vítima de abuso ou assédio; conteúdo que sugere que um evento trágico não aconteceu, que as vítimas ou as suas famílias são atores ou que são cúmplices num encobrimento do evento.

Conteúdo que ameaça ou tem a finalidade de prejudicar, física ou mentalmente, a própria pessoa ou terceiros

Exemplos (lista não exaustiva): conteúdo que defende o suicídio, a anorexia ou outro ato de autoflagelação; conteúdo que promove ou defende práticas ou afirmações médicas/de saúde prejudiciais; ameaças de prejudicar uma pessoa na vida real ou apelo ao ataque de outra pessoa; conteúdo que promove, glorifica ou aceita a violência contra terceiros; conteúdo produzido por ou que apoia grupos terroristas ou organizações transnacionais de tráfico de droga, ou conteúdo que promove atos terroristas, incluindo o recrutamento, ou que celebre ataques de grupos terroristas ou organizações transnacionais de tráfico de droga.

Conteúdo que visa explorar outras pessoas

Exemplos (lista não exaustiva): extorsão, chantagem, pedido ou promoção de dotes.

Conteúdo chocante

A Google não permite o seguinte:

Promoções com linguagem violenta, imagens macabras e repugnantes ou imagens e relatos explícitos de traumas físicos

Exemplos (lista não exaustiva): fotografias de acidentes ou de cenas de crimes, vídeos de execuções.

Promoções com representações gratuitas de fluidos ou resíduos corporais

Exemplos (lista não exaustiva): sangue, vísceras, violência gráfica, fluidos sexuais, resíduos humanos ou animais.

Promoções com linguagem obscena ou profana

Exemplos (lista não exaustiva): palavrões, insultos relacionados com a raça ou com a sexualidade, variações e erros ortográficos de linguagem obscena.

Nota: se o nome oficial do produto, do Website ou da app incluir linguagem obscena, solicite uma revisão e forneça detalhes sobre o nome. 

Promoções com probabilidade de chocarem ou assustarem

Exemplos (lista não exaustiva): promoções que sugiram a probabilidade de o utilizador poder estar em perigo, ser infetado com uma doença ou ser vítima de uma conspiração.

Eventos sensíveis

A Google não permite o seguinte:

Anúncios com um potencial aproveitamento ou exploração de eventos sensíveis com um impacto social, cultural ou político significativo, como emergências civis, desastres naturais, emergências de saúde pública, terrorismo e atividades relacionadas, conflitos ou atos de violência em massa

Exemplos (não exaustivos): aproveitamento aparente de um evento trágico sem qualquer benefício discernível para os utilizadores; inflacionar artificialmente preços que proíbam/restrinjam o acesso a bens vitais; venda de produtos ou serviços que possam ser insuficientes para a procura durante um evento sensível; utilizar palavras-chave relacionadas com um evento sensível para tentar gerar mais tráfego.

Anúncios que alegam que as vítimas de um evento sensível foram responsáveis pela sua própria tragédia ou casos semelhantes de culpabilização de vítimas; anúncios que alegam que as vítimas de um evento sensível não são merecedoras de uma solução ou apoio

Exemplos (não exaustivos): anúncios que alegam que as vítimas de determinados países foram responsáveis ou merecedoras de uma crise de saúde pública global.

Atualizado às 21:16 UTC de 20 de março de 2020

A Google está a monitorizar o impacto do coronavírus (COVID-19) à medida que a situação evolui e estamos a tomar as medidas necessárias para manter um ecossistema de publicidade seguro. 

Consulte o Centro de Ajuda do Google Ads para obter as atualizações mais recentes acerca da nossa Política de Eventos Sensíveis.

Crueldade contra animais

A Google não permite o seguinte:

Conteúdo que promove atos de crueldade ou de violência gratuita contra animais

Exemplos (lista não exaustiva): promoção de atos de crueldade contra animais para fins de entretenimento, como combates de galos ou cães.

Conteúdo que pode ser interpretado como comercialização de espécies extintas ou em vias de extinção ou venda de produtos derivados das mesmas

Exemplos (lista não exaustiva): venda de tigres, barbatanas de tubarão, marfim de elefante, peles de tigre, cornos de rinoceronte, óleo de golfinho.

Materiais políticos pirateados

A Google não permite o seguinte:

Anúncios que anunciem ou facilitem diretamente o acesso a materiais pirateados relacionados com entidades políticas no âmbito das Políticas de Anúncios Eleitorais da Google. Isto aplica-se a todos os materiais protegidos que foram obtidos através da intrusão ou do acesso não autorizado a um computador, a uma rede de computadores ou a um dispositivo eletrónico pessoal, mesmo que tenham sido distribuídos por terceiros.

Exemplos (não exaustivos): anunciar o acesso a conteúdo pirateado ("Veja já todos os emails divulgados!", "As mensagens de texto do Presidente foram pirateadas! Aceda-lhes já!"); criar links para conteúdo pirateado ("Veja a nossa base de dados de documentos pirateados da campanha do Presidente.", "Agentes estrangeiros piratearam-lhe o computador: veja os documentos verdadeiros.")

Tenha em atenção que o debate ou o comentário sobre materiais políticos pirateados é permitido, desde que o anúncio ou a página de destino não forneça nem facilite o acesso direto a esses materiais.


Precisa de ajuda?

Se tiver perguntas sobre esta política, informe-nos: entre em contacto com o apoio técnico do Google Ads
A informação foi útil?
Como podemos melhorá-la?