[GA4] Estruturar sua conta do Google Analytics

Estruturar as propriedades do Google Analytics 4 para atender às necessidades da sua empresa
Sumário:

Introdução

Se você usa o Universal Analytics, então já conhece as vistas. No Universal Analytics, você usa vistas para criar coleções de dados separadas, como divisão geográfica, de linhas de negócios etc. No GA4, é possível fazer isso de maneiras diferentes. A granularidade com que você separa dados e a maneira como controla o acesso a eles depende do que você precisa e da versão do Google Analytics que você usa, isto é, padrão ou 360.

Se você tem uma pequena empresa com um único site ou uma grande corporação com várias marcas e milhares de produtos, prepare-se para um futuro de sucesso configurando o GA4 seguindo as práticas recomendadas.

Se você está aprendendo sobre as propriedades do Google Analytics 4, estes artigos e vídeos podem ser úteis:

Principais conceitos e definições

  • Conta: um conjunto de propriedades em que os dados pertencem a uma única entidade jurídica e são regidos por termos de serviço (TOS) específicos por região.
    Os dados de cada região precisam ser de propriedade de uma entidade jurídica distinta?
    • Sim: crie várias contas, uma para cada região.
    • Não: crie uma conta na região em que fica a sede da empresa.
  • Propriedade: reside em uma conta e representa os dados de uma base de usuários. Se os dados geralmente forem analisados juntos (linha de produtos, marca, aplicativo), eles precisam estar em uma propriedade, que pode ser a propriedade de origem se você tiver o Google Analytics 360.
    Os dados coletados estão relacionados a uma única base lógica de usuários? Na hora de vincular o Google Analytics a outros produtos, é preciso compartilhar todo o corpo de dados com cada um deles?
    • Sim: crie uma propriedade.
    • Não: crie uma propriedade ou subpropriedade separada para cada base lógica de usuários.
  • Fluxo de dados: reside em uma propriedade de e é a origem de dados de um app ou site. A prática recomendada é usar, no máximo, três fluxos de dados para propriedades de origem: um único fluxo de dados da Web para medir a jornada do usuário na Web, um fluxo de dados do app para iOS e um para Android.
    • Fluxo de dados do app: é possível ter um fluxo de dados para cada combinação de nome e plataforma de pacote do app.
    • Fluxo de dados da Web: na maioria dos casos, é preciso usar um único fluxo para medir a jornada do usuário na Web. Use apenas um fluxo de dados da Web com a medição de vários domínios. Assim, você faz com que os relatórios de usuários e sessões das jornadas da Web que abrangem domínios sejam gerados de modo consistente.

Exemplo de estruturas de conta e propriedade

As práticas recomendadas e as recomendações a seguir foram criadas para abranger uma grande variedade de usuários e casos de uso. Em alguns casos extremos, essas orientações não são aplicáveis ou precisam ser adaptadas a circunstâncias específicas.

Em geral, configure uma conta por empresa e uma propriedade por marca ou unidade de negócios, supondo que as marcas e unidades de negócios sejam entidades operacionais únicas/distintas com partes interessadas/grupos de analistas separados.

Exemplo A

  • Empresa controladora A: uma conta 
    • Marca X (automotiva): uma propriedade
    • Marca Y (artigos domésticos): 1 propriedade
    • Marca Z (eletrônicos para consumidores): 1 propriedade

Nesse caso, a empresa controladora tem uma conta e três propriedades diferentes, cada uma com dados relacionados apenas à marca/empresa.

Exemplo B

  • Empresa de grande porte B: uma conta
    • Linha de produtos D (seguro residencial): 1 propriedade
    • Linha de produtos E (seguro para carros): mesma propriedade de D
    • Linha de produtos F (seguro de vida): a mesma propriedade de D e E

Nesse caso, a opção da empresa foi que todas as linhas de negócios enviassem os dados para uma única propriedade. Talvez elas tenham clientes que usam vários produtos com frequência ou campanhas de upsell ou venda cruzada entre produtos. Portanto, faz sentido ter todos esses dados juntos. Essa propriedade pode ser uma propriedade de origem para subpropriedades de análise de linha de produto individual (veja abaixo).  

Exemplo C

  • Pequena empresa C (por exemplo, delicatessen do João): uma conta
    • Todos os produtos (frios, sanduíches, bebidas etc.): uma propriedade

Neste exemplo, a delicatessen do João é uma pequena empresa que não precisa de várias propriedades. Ela analisa em conjunto todos os dados da empresa de entregas on-line porque as pessoas geralmente compram mais de um produto, e a loja não tem linhas de negócios diferentes. Faz sentido ter uma única propriedade para todos os dados.

Fluxos de dados

Cada propriedade de origem tem fluxos de dados de um app e/ou site que fornece os dados recebidos. Portanto, um fluxo de dados é simplesmente um site ou app que envia dados para uma propriedade específica do GA4.

Recomendamos o seguinte:

  • 1 fluxo de dados da Web por propriedade
  • 1 fluxo de dados do iOS por propriedade
  • 1 fluxo de dados do Android por propriedade
Cada fluxo de dados do app só pode ser vinculado a uma propriedade do GA4. Por isso, considere isso ao decidir quais fluxos serão vinculados a uma propriedade.
Os fluxos de dados não equivalem às vistas do Universal Analytics e não devem ser usados para separar os dados. Isso limita sua capacidade de associar usuários entre fluxos de dados, já que cada fluxo é uma fonte de dados de coleção separada. Isso pode resultar na inflação dos dados porque os usuários não podem ser desduplicados, dependendo do uso dos Indicadores do Google ou do seu próprio status/User-ID conectado.

Integração com o Search Console

É possível vincular propriedades do GA4 ao Search Console. Isso traz mais dados avançados para o Google Analytics, como consultas de pesquisa da Pesquisa Google orgânica e dimensões para relatórios, como a página de destino.

É necessário decidir qual propriedade vai ser vinculada a qual propriedade do Search Console. Se você usa subpropriedades e propriedades de visualização completa, vai ser preciso decidir se quer vincular à propriedade de origem, à subpropriedade ou à propriedade de visualização completa.

Configurar a vinculação entre as propriedades do GA4 e do Search Console é um processo rápido e direto, que pode ser feito na página Administrador do GA4. Para isso, você vai precisar ser o administrador do site verificado na propriedade do Search Console e ter a função de administrador na propriedade do Google Analytics 4.

Personalizações dos relatórios

Com as propriedades do Google Analytics 4, você tem total controle sobre que relatórios são exibidos, quais métricas e dimensões são incluídas nos relatórios e os gráficos deles. É possível configurar toda uma coleção de relatórios que seja relevante apenas para determinado grupo, como a equipe de marketing. Contudo, não é possível restringir o acesso a essas coleções. Todos os usuários da propriedade poderão vê-las. Você pode personalizar o GA4 para que os relatórios mais relevantes sejam os primeiros que aparecem ou os mais fáceis de acessar, sem que seja preciso ficar procurar entre vários relatórios de que não precisa.

Exemplo de coleção de relatórios da equipe de marketing:

Exemplo de coleção de relatórios da equipe de marketing

Você consegue personalizar relatórios específicos em cada coleção. Por exemplo, na maioria dos relatórios de tabela há uma métrica "Receita total" que é exibida na configuração de relatórios padrão. Isso é ótimo se você é uma empresa de e-commerce que envia dados de receita e quer que suas equipes possam analisá-los. No entanto, se você não tiver dados de receita para servir de informação no Google Analytics, essa coluna só mostra um valor de R$ 0,00 em cada linha. Para ter relatórios mais organizados, remova essa métrica se ela não for relevante para sua empresa.

Relatório de eventos com a métrica "Receita total":

Relatório de eventos com a métrica de receita total

Edite a interface (clique no "X" ao lado da métrica a ser removida):

Interface "Edição do evento": clique no "X" ao lado da métrica a ser removida

Aplique e salve sem a métrica "Receita total":

O evento foi salvo sem a métrica "Receita total"

Esse relatório está muito mais simples para uma empresa que não tem ou não quer exibir dados de receita no Google Analytics.

Higiene de dados

Além de filtrar os relatórios para incluir ou excluir determinados dados, é importante prestar atenção na higiene dos dados, que inclui excluir o tráfego de IPs internos, excluir referências indesejadas e configurar corretamente o acompanhamento de vários domínios.

Excluir tráfego de IPs internos

Remover o tráfego de IPs internos dos conjuntos de dados é uma etapa de configuração importante para empresas com muito tráfego de funcionários no site, por exemplo, um técnico de suporte que geralmente consulta artigos da Central de Ajuda no site da empresa enquanto atende a um cliente. Isso impede que os funcionários da empresa (usuários internos) acabem distorcendo dados de análise que são usados em relatórios sobre casos de uso externos de clientes. Agora, este é um filtro predefinido no GA4:

Interface "Criar regra de tráfego externo"

Remover referências indesejadas

Outro aspecto da higiene dos dados é a exclusão do tráfego por referência indesejado. Dessa forma, você impede que dados de determinadas origens de referência estejam entre os dados de produção mantendo o evento, mas ignorando o referenciador, para que a atribuição de tráfego não seja afetada. Essa configuração também vem predefinida no GA4:

Interface "Listar referências indesejadas"

Configurar o acompanhamento de vários domínios

Por fim, um problema comum entre os usuários do Google Analytics é o tráfego entre domínios. Antes, era necessário configurar o acompanhamento de vários domínios pelo Gerenciador de tags do Google ou TMS, ou codificá-lo no site. Esse era um esforço extra que nem sempre era possível para os usuários do Google Analytics e que, muitas vezes, levava a problemas de higiene de dados, como a exibição de contagens de sessões novas ou infladas e referências dos seus próprios domínios. O Google Analytics 4 facilita esse processo na interface do usuário e contribui para a higiene dos dados:

Interface "Configurar seus domínios"

Transformações de dados

No Universal Analytics, as transformações de dados são tratadas como parte da configuração do filtro. Por exemplo, forçar minúsculas em todos os valores de uma determinada dimensão, como utm_campaign. Agora isso é feito usando a criação e modificação de eventos nas propriedades do Google Analytics 4.

Exemplo: você descobre que um evento foi enviado duas vezes à sua propriedade do GA4, mas de duas maneiras diferentes. O evento "start_now", que leva a uma ação principal no seu site, está sendo enviado para o GA4 de várias maneiras ("start_now" e "startNow") porque aparece em lugares diferentes do site, que foram desenvolvidos por equipes distintas que fizeram codificações diferentes sem perceber. Esse é um cenário comum que pode afetar a qualidade dos dados, mas que também pode ser corrigido criando e modificando eventos na interface do usuário.

Interface "Eventos"

Para resolver esse problema, clique em Modificar evento na seção "Configurar" da propriedade do GA4.

Botão "Modificar evento" na seção "Configurar"

Você vai chegar nessa tela, onde precisa especificar as alterações que quer fazer. Nesse exemplo, escolha o evento "Start Now" que gostaria de manter e modifique o outro para fazer a correspondência. O exemplo abaixo mostra que qualquer evento com o nome "startNow" será modificado para ter o nome do evento "start_now". Esses dois nomes de evento vão ser consolidados em um único nome, e os relatórios ficarão muito mais organizados, com uma única linha para esse evento.

Interface "Modificar eventos"

Permissões e funções do usuário

As propriedades do Google Analytics 4 trazem funções e restrições simplificadas e mais inteligentes. As funções padrão agora incluem o seguinte:

  • Administrador: alguém com controle total da conta
  • Editor: alguém que tem acesso total de edição a dados e configurações, mas não pode gerenciar usuários
  • Analista: alguém que pode criar e editar recursos compartilhados, além de ver dados e configurações.
  • Leitor: alguém que pode ver os dados dos relatórios e as configurações

Além disso, as propriedades do GA4 agora conseguem ocultar dados de custo e de receita na interface de relatórios com base em uma função de restrição de dados atribuída de "Sem métricas de custo" ou "Sem métricas de receita". Esse é um recurso muito útil nas permissões do usuário e ajuda a proteger dados confidenciais da empresa, além de permitir o acesso de determinados públicos-alvo ao site e a dados comportamentais.

Observação sobre restrições de custo e receita: os filtros de métricas não funcionam em públicos-alvo que incluem dados de receita. Além disso, os usuários com essas restrições vão continuar vendo a contagem de eventos de compra. Portanto, se isso for uma preocupação, convém usar uma subpropriedade para esse caso de uso.

Interface "Restrições de dados e funções diretas"

Recursos específicos do 360: subpropriedades e propriedades de visualização completa

Subpropriedades

As subpropriedades são um novo tipo de propriedade do Google Analytics 4 disponível para as contas do Google Analytics 360. Com elas, você consegue criar um subconjunto dos dados que estão em uma propriedade de origem. Com as subpropriedades, não é mais necessário usar vistas. Por exemplo, é possível criar uma subpropriedade com um subconjunto dos dados que estão na sua propriedade de origem e conceder a determinados usuários acesso a apenas essa subpropriedade. Além disso, as subpropriedades fornecem recursos relacionados a higiene de dados, governança de dados, governança do usuário e governança de recursos, que aumentam significativamente o benefício de usar o GA4 em empresas maiores.

É possível criar uma subpropriedade usando qualquer propriedade de origem, mas não é possível fazer isso usando uma propriedade de visualização completa. As subpropriedades têm uma relação de um para um com uma propriedade de origem.

As subpropriedades geram um custo adicional para os clientes do 360. Consulte as Considerações sobre custos abaixo para mais informações.

Governança de dados

Um dos maiores casos de uso de subpropriedades é a governança de dados, que controla quais dados são incluídos ou excluídos de uma propriedade. Com as subpropriedades, você pode filtrar dados para criar o conjunto de dados necessário para um público-alvo ou caso de uso específico. Isso possibilita uma melhor organização e facilita o acesso a alguns públicos-alvo.

Esse era um uso comum das vistas no Universal Analytics, por exemplo, criar uma vista apenas para o tráfego na América do Norte ou para os dados do site de marketing. Separar esses conjuntos de dados permite que cada grupo acesse as informações deles de maneira mais rápida e fácil, mesmo que eles pudessem ter o mesmo resultado com um pouco mais de filtragem na propriedade de origem. As subpropriedades permitem que você faça isso nesses tipos de casos de uso com filtros de importação e exportação de uma propriedade de origem para uma subpropriedade.

Os dados podem ser filtrados em uma subpropriedade usando qualquer dimensão personalizada ou evento coletado na propriedade de origem.

Governança do usuário

Outro caso de uso de subpropriedades atende às necessidades de governança do usuário. Exemplo: você tem políticas corporativas austeras estabelecendo que, digamos, a região da América do Norte pode ver um determinado subconjunto de dados relacionados a ela, mas outra, como a América do Sul, não pode ter acesso aos dados. Com as subpropriedades, é possível restringir os dados para cada região dentro da própria propriedade, de modo que apenas a região apropriada tenha acesso.

Esse raciocínio também se aplica às linhas de negócios que precisam manter os dados separados para as próprias necessidades operacionais ou separar os dados entre o site de marketing e a experiência no produto, caso a empresa tenha motivos para impedir que uma equipe veja os dados de outra.

Se você não precisa restringir o acesso aos dados, bastando apenas apontar um determinado subconjunto de usuários para determinados conjuntos de dados, a personalização e as coleções de relatórios podem ser uma solução melhor. Por exemplo, é possível criar uma coleção de relatórios especificamente personalizada para a equipe de marketing, facilitando o acesso aos dados relevantes. Esses recursos ajudam a organizar os dados em um formato fácil de acessar para públicos-alvo específicos e não têm custo extra.

Propriedades de visualização completa

Uma propriedade de visualização completa contém dados de duas ou mais propriedades. Ela pode incluir dados de propriedades comuns e subpropriedades, mas não de outras propriedades de visualização completa. Com as propriedades de visualização completa, é possível ter uma visão mais ampla de produtos, marcas ou regiões de uma empresa, reunindo dados de várias propriedades na mesma conta. As propriedades de visualização completa no GA4 e no UA são compatíveis com casos de uso semelhantes.

As propriedades de visualização completa funcionam como qualquer outra propriedade. Cada uma tem a própria cota para dimensões e métricas personalizadas, propriedades do usuário e muito mais. Todas as configurações são controladas na propriedade de visualização completa (as propriedades de visualização completa não herdam as configurações das propriedades de origem) e são específicas para as necessidades dela e da base de usuários da visualização completa.

As propriedades de visualização completa geram custo adicional para clientes do 360. Consulte as Considerações sobre custos abaixo para mais informações.

Considerações sobre o custo

Cada evento enviado para uma subpropriedade ou uma propriedade de visualização completa é processado novamente, o que gera um custo adicional na conta do 360. Cada hit de evento adicional é cobrado pela metade da taxa do hit de evento inicial. Em outras palavras, cada hit de subpropriedade ou propriedade de visualização completa custa 0,5 de um hit de evento.

Se quiser entender melhor como a configuração pode afetar o faturamento e os possíveis custos do GA4 360, use o novo recurso "Visualização de faturamento", que está disponível para os parceiros certificados do Google Analytics.

Exemplos com subpropriedades e propriedades de visualização completa

Se considerarmos alguns dos nossos exemplos desde o início deste guia, podemos estudar a configuração desses cenários.

Empresa de grande porte com várias linhas de negócios complementares

  • Empresa de grande porte B: uma conta
    • Linha de produtos D (seguro residencial): 1 propriedade
    • Linha de produtos E (seguro para carros): mesma propriedade de D
    • Linha de produtos F (seguro de vida): a mesma propriedade de D e E

Neste caso, a empresa de grande porte tem uma conta e uma propriedade de origem. Embora existam diferentes linhas de negócios que talvez precisem de uma análise de dados separada, os produtos são complementares e, muitas vezes, é necessário analisar vários produtos juntos. Por isso, eles decidiram enviar todos os dados de produtos para a mesma propriedade de origem. No entanto, as equipes de produtos específicos precisam analisar os dados separadamente. Devido ao grande volume de tráfego na propriedade geral, eles optaram por criar subpropriedades para cada linha de negócios.

Diagrama de uma propriedade de origem com três subpropriedades

 

Empresa controladora com várias marcas

  • Empresa controladora: 1 conta
    • Marca X (automotiva): uma propriedade
    • Marca Y (artigos domésticos): 1 propriedade
    • Marca Z (eletrônicos para consumidores): 1 propriedade

Nesse caso, a empresa controladora tem uma conta com três propriedades de origem, uma para cada marca. Cada marca opera separadamente e precisa de uma análise de dados separada. Por isso, cada uma tem uma propriedade de origem própria. No entanto, a empresa controladora quer que todas as marcas dela sejam agrupadas em uma única propriedade para que haja uma boa compreensão do total de usuários, da receita total e muito mais. Nesse caso, a empresa controladora criará uma propriedade de visualização completa com as três propriedades da marca como origens para a visualização completa. Isso proporciona a visão holística de que eles precisam, além de permitir que as marcas permaneçam independentes entre si.

Diagrama de uma empresa controladora com três marcas

 

Vamos analisar esse exemplo. Essa empresa controladora tem um programa de fidelidade que se estende a todas as marcas individuais. Quando um usuário participa desse programa, ele recebe um ID de recompensa exclusivo associado como uma propriedade do usuário e/ou como um parâmetro em cada evento.

A equipe do programa trabalha no nível da empresa controladora e precisa ver os dados dos participantes do programa de todas as marcas na mesma propriedade. Então, usamos uma combinação de subpropriedades e propriedades de visualização completa para que a equipe tenha um conjunto de dados próprio. Cada propriedade de origem produziria uma subpropriedade com dados apenas dos participantes do programa, e essas três propriedades seriam enviadas para uma propriedade de visualização completa para que os dados das recompensas sejam exibidos.

Diagrama mostrando duas propriedades de visualização completa

 

Empresa global com regiões e sub-regiões

Nesse caso, a conta corporativa global tem três subpropriedades de visualização completa regionais com duas subpropriedades de origem cada.

Diagrama mostrando uma propriedade de visualização completa global com três propriedades de visualização completa regionais

Vinculação: Google Ads, SA360 e DV360

Nas propriedades do Google Analytics 4, há algumas melhorias na vinculação ao Google Ads. No entanto, a premissa permanece a mesma. Você pode vincular a conta do Google Ads à propriedade do Google Analytics 4 para compartilhar estatísticas do site e de públicos-alvo e aproveitar os dados de relatórios do Google Ads na propriedade. A vinculação a uma conta do Google Ads está no nível da propriedade do Google Analytics. Você pode vincular uma propriedade de origem, uma subpropriedade ou uma propriedade de visualização completa.

Há uma diferença importante entre o Universal Analytics e o Google Analytics 4: no Universal Analytics, você precisa selecionar cada conta do Google Ads (no máximo, dez) para onde vai ser exportado um público-alvo. Nas propriedades do GA4, você compartilha um público-alvo individual com todas as contas vinculadas. Com essa mudança, o compartilhamento fica muito mais fácil, mas é preciso compartilhar todos os públicos-alvo ou, então, nenhum deles. Lembre-se disso na hora de desenvolver os públicos-alvo do Google Analytics 4.

Quando vincula a propriedade do GA4 e a conta do Google Ads, você consegue ver estatísticas do site no Google Ads. Esse recurso exporta dados de engajamento comportamental do Google Analytics diretamente para a interface do usuário do Google Ads. Embora seja possível configurar uma vinculação a qualquer tipo de propriedade, recomendamos que, para evitar contagem dupla, você vincule somente à propriedade de origem ou à subpropriedade (mas não a ambas).

Os públicos-alvo podem ser compartilhados de qualquer propriedade do GA4 (propriedade comum, subpropriedade ou propriedade de visualização completa) com o Google Ads. Mas é preciso lembrar que os públicos-alvo de uma subpropriedade ou de visualização completa têm dados diferentes da propriedade de origem (ordinário) devido a filtros ou vários conjuntos de dados. É importante observar isso quando estiver usando a segmentação por público-alvo no Google Ads.

Da mesma forma, as conversões dependem do tipo de propriedade vinculada. Não convém importar o mesmo tipo de conversão de uma propriedade de origem, uma subpropriedade e uma propriedade de visualização completa. A prática recomendada é vincular a propriedade de origem do GA ao Google Ads e exportar conversões somente da origem. Uma exceção será se você tiver contas do Google Ads específicas às regiões e for necessário vinculá-las no nível da subpropriedade.

Os dados são levados do Google Ads para uma propriedade do Google Analytics 4 no momento da consulta. Isso garante que você sempre acompanhe os dados mais atualizados e evita duplicação ou agregação em subpropriedades e visualizações completas.

Search Ads 360

A integração do SA360 está sendo lançada e é compatível com a herança de dados da propriedade de origem para uma subpropriedade ou uma propriedade de visualização completa. Isso significa que, se a vinculação for estabelecida na propriedade de origem, a subpropriedade ou a propriedade de visualização completa vão receber dados do SA360, mas a subpropriedade ou a visualização completa não vai conseguir controlar nem configurar a vinculação em si.

Há uma diferença importante entre as propriedades do Universal Analytics e do Google Analytics 4: no Universal Analytics, você precisa selecionar cada conta (no máximo, dez) para onde será exportado um público-alvo. Nas propriedades do Google Analytics 4, é possível compartilhar um público-alvo individual com todas as contas vinculadas. Com essa mudança, o compartilhamento fica muito mais fácil, mas é preciso compartilhar todos os públicos-alvo ou, então, nenhum deles. Isso precisa ser considerado na hora de desenvolver públicos-alvo do Google Analytics 4.

Display & Video 360

A integração do DV360 está sendo lançada e é compatível com a herança de dados da propriedade de origem para uma subpropriedade ou uma propriedade de visualização completa. Isso significa que, se a vinculação for estabelecida na propriedade de origem, a subpropriedade ou a propriedade de visualização completa receberão dados do DV360, mas a subpropriedade ou a visualização completa não poderá controlar nem configurar a vinculação em si.

Há uma diferença importante entre as propriedades do Universal Analytics e do Google Analytics 4: no Universal Analytics, você precisa selecionar cada conta (no máximo, dez) para onde será exportado um público-alvo. Nas propriedades do Google Analytics 4, você compartilha um público-alvo individual com todas as contas vinculadas. Com essa mudança, o compartilhamento fica muito mais fácil, mas é preciso compartilhar todos os públicos-alvo ou, então, nenhum deles. Isso precisa ser considerado na hora de desenvolver públicos-alvo do Google Analytics 4.

Outros exemplos

Varejista de e-commerce com localização distribuída geograficamente e que vende produtos na Web e no app

 

Essa empresa tem sede em várias regiões geográficas, e cada região representa uma entidade comercial que tem o próprio site, equipe de marketing e conta do Google Ads. A empresa-mãe também tem um app (disponível para iOS e Android).

Requisitos comerciais

A estrutura da conta precisa atender aos seguintes requisitos:

  • A empresa-mãe precisa ter uma visão global dos dados de todas as entidades comerciais.
  • Não é necessário que cada entidade seja proprietária dos dados.
  • Cada entidade comercial quer entender a jornada do usuário no site e no app.
  • Todas as entidades comerciais precisam separar os dados em compartimentos.
  • A equipe de marketing de cada entidade comercial usa o vínculo entre o Google Ads e o Google Analytics para criar e compartilhar públicos-alvo e os utiliza para dar lances no Google Ads.

Estrutura da conta

Princípios aplicados (conta padrão)
  • Conta: uma conta. Os dados pertencem a uma única entidade jurídica.
  • Propriedade: uma propriedade para uma única base lógica de usuários.
  • Fluxos de dados: um fluxo para o site. Um fluxo de dados para cada versão do app.
Princípios aplicados (conta do 360)
  • Conta: uma conta. Os dados pertencem a uma única entidade jurídica.
  • Propriedade: uma propriedade para uma única base lógica de usuários.
  • Subpropriedades: uma subpropriedade para cada entidade de negócios que precisa compartimentalizar dados.
  • Fluxos de dados: um fluxo para o site. Um fluxo de dados para cada versão do app.
Estrutura Fundamentação lógica

Uma conta do Google Analytics.

Se já existir uma conta do Google Analytics, não será necessário criar outra.

A empresa-mãe detém a propriedade legal dos dados de todas as entidades comerciais.

Uma propriedade do Google Analytics 4.

Uma única propriedade com fluxos de dados para cada implementação de site e de app disponibiliza todos os dados para inclusão nos mesmos relatórios. Você pode combinar dados de sites e apps conforme necessário para ver como os usuários trafegam entre eles. A empresa-mãe tem uma visualização unificada de todos os dados e consegue comparar as informações de várias entidades comerciais.

Uma subpropriedade para cada equipe regional (360)

Cada entidade regional tem a própria subpropriedade com dados compartimentalizados. A empresa-mãe tem uma visualização unificada de todos os dados na propriedade de origem e consegue comparar as informações de várias entidades comerciais.

Um fluxo de dados que combina todos os sites das entidades comerciais regionais.

Use um fluxo de dados da Web para vários domínios.

Um projeto do Firebase para implementações do app no Android e no iOS. Esse projeto está vinculado à propriedade do Google Analytics 4.

Um fluxo de dados para as versões iOS e Android do app (ou seja, dois fluxos de dados).

Com um fluxo de dados para cada implementação de app, é possível isolar os dados do iOS e do Android.

 

Cada conta do Google Ads fica vinculada à propriedade (padrão).

Se todas as contas do Google Ads estão vinculadas à mesma propriedade, os públicos-alvo dela ficam disponíveis para fins de definição de lances.

Opcional: cada conta do Google Ads fica vinculada à subpropriedade apropriada (360).

Se todas as contas do Google Ads estão vinculadas à subpropriedade apropriada, os públicos-alvo dela ficam disponíveis para fins de definição de lances.

 

Desenvolvedor global com vários jogos na Play Store e na App Store

 

Essa empresa tem um site de marca global e um site de marketing diferente para cada jogo. Ela vende vários títulos na Play Store e na App Store.

Requisitos comerciais

A estrutura da conta precisa atender aos seguintes requisitos:

  • Coletar dados próprios de sites e apps para criar públicos-alvo e informar a compra de mídia.
  • Um ambiente separado para desenvolvimento, preparo e produção de cada jogo.

Estrutura da conta

Princípios aplicados (contas padrão)
  • Conta: uma conta. Os dados pertencem a uma única entidade jurídica.
  • Propriedade: uma propriedade para cada base lógica de usuários (site de marca global; app e site de marketing de cada jogo).
  • Fluxos de dados: um fluxo de dados para o site de marca global. Um fluxo de dados para cada site de marketing e outro para cada versão correspondente do app.
Princípios aplicados (360)
  • Conta: uma conta. Os dados pertencem a uma única entidade jurídica.
  • Propriedade: uma propriedade para cada base lógica de usuários (site de marca global; app e site de marketing de cada jogo).
  • Propriedade de visualização completa: uma propriedade de visualização completa que coleta dados de todas as propriedades de origem distintas para uma vista holística.
  • Fluxos de dados: um fluxo de dados para o site de marca global. Um fluxo de dados para cada site de marketing e outro para cada versão correspondente do app.
Estrutura Fundamentação lógica

Uma conta do Google Analytics.

Se já existir uma conta do Google Analytics, não será necessário criar outra.

Unifica as propriedades em apenas uma conta pertencente a uma entidade jurídica.

Uma propriedade do Google Analytics 4 para o site de marca global, com um fluxo de dados (Web).

Medição separada do site de marca global.

Uma propriedade do Google Analytics 4 para o app e o site de marketing de cada jogo. Cada uma tem um fluxo de dados (Web), um fluxo de dados do iOS (app) e um fluxo de dados do Android (app).

Os dados de cada site de marketing e app relacionado são coletados na mesma propriedade.

Os dados do app e relacionados ao site são usados para criar públicos-alvo e fundamentar a compra de mídia.

Um projeto do Firebase para cada jogo. Cada projeto é vinculado à propriedade relacionada. Cada projeto do Firebase inclui as versões de desenvolvimento, preparo e produção do jogo.

Ter um projeto do Firebase referente a cada jogo cria ambientes separados de desenvolvimento, preparo e produção para cada um deles.

Opcional: um projeto diferente do Firebase referente a cada versão do jogo ou uma combinação de versões, por exemplo, um projeto para a versão de desenvolvimento e outro para as de preparo e produção.

É possível subdividir ambientes de jogo individuais por projeto. No entanto, se você quiser avaliar a versão do jogo associada a esse projeto, vai ser preciso criar outras propriedades.

Opcional: propriedade de visualização completa. Cada propriedade de origem é alimentada em uma propriedade de visualização completa que oferece uma vista holística da Web e do app.

É possível subdividir ambientes de jogo individuais por projeto. No entanto, se você quiser avaliar a versão do jogo associada a esse projeto, vai ser preciso criar outras propriedades.

 

Empresa nacional de seguros com várias subsidiárias independentes (seguro residencial, de vida, saúde, automóveis)

 

Essa empresa tem um site corporativo onde disponibiliza informações aos clientes e gera leads que exigem interação off-line para fechar contratos (por exemplo, telefone, correio, ponto de venda). Cada subsidiária tem o próprio site e conta do Google Ads, além de uma equipe de marketing dedicada.

Uma subsidiária (de seguro de automóveis) também tem um app.

Requisitos comerciais

A estrutura da conta precisa atender aos seguintes requisitos:

  • Os dados pertencem a uma única entidade comercial em um local.
  • Os dados do site corporativo precisam estar disponíveis para análise de forma a melhorar a geração de leads e a otimização de conteúdo.
  • Cada subsidiária precisa separar os dados para que a equipe de marketing competente crie públicos-alvo e acompanhe as conversões associadas a uma única conta do Google Ads.

Estrutura da conta

Princípios aplicados (conta padrão)
  • Conta: uma conta. Os dados pertencem a uma única entidade jurídica.
  • Propriedade: uma propriedade para cada base lógica de usuários (site corporativo, site e app de cada subsidiária).
  • Fluxos de dados: um fluxo de dados para o site corporativo. Um fluxo de dados para o site de cada subsidiária e outro para cada versão correspondente do app.
Princípios aplicados (360)
  • Conta: uma conta. Os dados pertencem a uma única entidade jurídica.
  • Propriedade: uma propriedade para todos os sites e apps (site corporativo; site e app de cada subsidiária).
  • Subpropriedades: uma subpropriedade para cada base lógica de usuários (site corporativo; site e app de cada subsidiária).
  • Fluxos de dados: um fluxo de dados para o site corporativo. Um fluxo de dados para o site de cada subsidiária e outro para cada versão correspondente do app.
Estrutura Fundamentação lógica

Uma conta do Google Analytics.

Se já existir uma conta do Google Analytics, não será necessário criar outra.

Os dados pertencem a uma única entidade comercial em um local.

Uma propriedade do Google Analytics 4 com um fluxo de dados (Web) para o site corporativo (conta padrão).

Ter uma única propriedade e um fluxo de dados para o site corporativo faz com que esses dados fiquem disponíveis para análise, gerando leads melhores e otimizando o conteúdo.

Para o site de cada subsidiária: (conta padrão).

Uma propriedade do Google Analytics 4 com um fluxo de dados (Web).

A propriedade da subsidiária de seguro de automóveis também precisa de um fluxo de dados do Android (app).

Ter uma propriedade e um fluxo de dados independentes para o site de cada subsidiária mantém os dados de cada site separados.

Os dados do app e da Web da subsidiária de seguro de automóveis vão ficar disponíveis na mesma propriedade.

Uma propriedade do Google Analytics 4 com um fluxo de dados (Web) para todos os sites corporativos e de subsidiárias (360).

Com uma propriedade única e um fluxo de dados para todos os sites, esses dados ficam disponíveis para análise, gerando leads melhores e otimizando o conteúdo. Isso também permite que subpropriedades sejam criadas com base na propriedade de origem.

Subpropriedades do site de cada subsidiária e do site corporativo.

Uma subpropriedade pode ser criada para filtrar cada combinação lógica de dados (site corporativo ou site de uma subsidiária) em sua própria visualização de dados.

Um projeto do Firebase para o app Android da subsidiária de seguro de automóveis.

O projeto do Firebase fica vinculado à propriedade da subsidiária de seguro de automóveis (conta padrão) ou à propriedade de origem (conta do 360).

Ter um projeto do Firebase para o app de seguro de automóveis cria um ambiente dedicado ao desenvolvimento de apps.

Vincular o projeto do Firebase à propriedade de seguro de automóveis faz com que os dados do app e da Web sejam disponibilizados na mesma propriedade (semelhante ao que acontece com a propriedade de origem para as contas do 360).

As contas correspondentes do Google Ads e as propriedades (contas padrão) ou as subpropriedades (contas do 360) das subsidiárias estão vinculadas.

Se a conta do Google Ads de cada subsidiária estiver vinculada à propriedade correspondente, as contas relevantes vão ter acesso aos públicos-alvo das propriedades, e as propriedades do Google Analytics 4, aos dados de conversão das contas do Google Ads.

 

Empresa/instituição educacional

 

Essa organização tem um site e uma conta do Google Ads.

Requisitos comerciais

A estrutura da conta precisa atender aos seguintes requisitos:

  • Os alunos analisam ofertas de cursos e se inscrevem neles, além de realizar e gerenciar o trabalho on-line.
  • A equipe de marketing precisa criar públicos-alvo para remarketing e prospecção de clientes.
  • Os analistas querem entender o uso em dispositivos diferentes e se há necessidade de um site ou app para dispositivos móveis.

Estrutura da conta

Princípios aplicados
  • Conta: uma conta. Os dados pertencem a uma única entidade jurídica.
  • Propriedade: uma propriedade para cada base lógica de usuários (site institucional).
  • Fluxos de dados: um fluxo de dados para o site institucional.
Estrutura Fundamentação lógica

Uma conta do Google Analytics.

Se já existir uma conta do Google Analytics, não será necessário criar outra.

Os dados pertencem a uma única entidade em um local.

Uma propriedade do Google Analytics 4 com um fluxo de dados (Web).

Quando você tem uma única propriedade, os dados de cada seção do site são agrupados em um único local.

A equipe de marketing pode criar públicos-alvo com dados de qualquer seção do site.

Os analistas podem entender o uso em dispositivos diferentes e se há necessidade de um site ou app para dispositivos móveis.

Uma conta do Google Ads vinculada à propriedade do Google Analytics 4.

A equipe de marketing pode exportar públicos-alvo para o Google Ads com o objetivo de executar remarketing e prospecção.

 

Empresa de viagens com várias marcas operando em diversos países

 

Essa empresa tem várias marcas, cada uma com a própria equipe de marketing e as próprias contas de publicidade, além de um site para computador, um site móvel e um app.

Requisitos comerciais

A estrutura da conta precisa atender aos seguintes requisitos:

  • Os dados precisam ser analisados por país.
  • Cada equipe de marketing precisa criar os próprios públicos-alvo e atribuir conversões às contas de publicidade vinculadas.

Estrutura da conta

Princípios aplicados (conta padrão)
  • Conta: uma conta. Os dados pertencem a uma única entidade jurídica.
  • Propriedade: uma propriedade para cada base lógica de usuários (site corporativo; site e app de cada marca).
  • Fluxos de dados: um fluxo de dados para o site corporativo. Um fluxo de dados para cada site de marca e outro para cada versão correspondente do app.
Princípios aplicados (conta do 360)
  • Conta: uma conta. Os dados pertencem a uma única entidade jurídica.
  • Propriedade: uma propriedade para cada base lógica de usuários (site corporativo; site e app de cada marca).
  • Propriedade de visualização completa: uma propriedade de visualização completa para ver todos os conjuntos de dados geográficos e de entidades juntos.
  • Fluxos de dados: um fluxo de dados para o site corporativo. Um fluxo de dados para cada site de marca e outro para cada versão correspondente do app.
Estrutura Fundamentação lógica

Uma conta do Google Analytics.

Se já existir uma conta do Google Analytics, não será necessário criar outra.

Os dados pertencem a uma única entidade comercial.

Uma propriedade do Google Analytics 4 por marca, cada uma com:

  • um fluxo de dados da Web para o site da marca;
  • um fluxo de dados do app para cada versão do app da marca (Android, iOS).

Quando você tem uma propriedade por marca, é possível:

  • fazer análises por marca e país;
  • criar públicos-alvo usando uma base de usuários específica à marca e ao país;
  • atribuir conversões às contas de publicidade vinculadas.

Com fluxos de dados individuais referentes a cada plataforma, fica possível fazer análises de dados completas, comparativas ou específicas, além de criar públicos-alvo diferentes para cada plataforma.

Uma propriedade de visualização completa que reúne todas as propriedades da marca em um só lugar (contas do 360).

Ter uma única propriedade de visualização completa com todas as propriedades de origem incluídas oferece uma vista holística dos dados no nível da instituição.

Contas do Google Ads, Display & Video 360 e Search Ads 360 específicas da marca vinculadas às propriedades relevantes.

Cada equipe de marketing precisa criar os próprios públicos-alvo e atribuir conversões às contas de publicidade vinculadas.

 

Isso foi útil?
Como podemos melhorá-lo?
false
Pesquisa
Limpar pesquisa
Fechar pesquisa
Google Apps
Menu principal
Pesquisar na Central de Ajuda
true
69256
false
false