Sobre os eventos

Usar eventos para coletar dados sobre interações com seu conteúdo.

Os eventos são as interações do usuário com o conteúdo que podem ser avaliadas independentemente do carregamento de uma página da Web ou de uma tela. Downloads, cliques em links, envios de formulários e reproduções de vídeo são exemplos de ações interessantes para analisar como eventos.

Neste artigo:

Ver dados dos eventos em relatórios

Você precisa adicionar um código ao seu site ou aplicativo para ver dados nos seus Relatórios de eventos. Leia o artigo Configurar a avaliação de eventos.

Saiba como acessar os Relatórios de eventos:

  1. Faça login no Google Analytics.
  2. Vá até sua vista.
  3. Abra Relatórios.
  4. Selecione Comportamento > Eventos.

Como os eventos são formados

Um evento tem os seguintes componentes. Um hit de evento inclui um valor para cada componente, e esses valores são exibidos nos seus relatórios.

  • Categoria
  • Ação
  • Rótulo (opcional, mas recomendado)
  • Valor (opcional)

Por exemplo, você pode criar o botão "reproduzir" de um vídeo no seu site para que ele envie um hit de evento com os seguintes valores:

  • Categoria: "Vídeos"
  • Ação: "Reproduzir"
  • Rótulo: "O primeiro aniversário do bebê"

Categoria

É um nome que você informa para agrupar objetos que gostaria de analisar. Normalmente, o mesmo nome é usado várias vezes para elementos de IU relacionados que serão agrupados em uma determinada categoria.

Suponha que você queira avaliar também quantos downloads do vídeo são realizados. É possível utilizar o seguinte:

  • Categoria: "Vídeos"
  • Ação: "Download"
  • Rótulo: "E o Vento Levou"

Nesse caso, apenas a categoria "Vídeos" seria incluída nos seus relatórios, e você poderia ver métricas agregadas referentes à interação do usuário com o conjunto total de elementos desse objeto de vídeo único.

No entanto, você provavelmente quer avaliar diversos objetos. É importante considerar a forma de categorização desejada dos seus relatórios antes de implementar a chamada. Por exemplo, talvez você queira analisar todos os filmes da categoria principal de "Vídeos" para ver números agregados de todas as interações de vídeo, independentemente do conteúdo que rendeu a interação.

Por outro lado, você pode criar categorias diferentes com base no tipo de vídeo: uma para filmes e outra para clipes de música. É recomendável também criar uma categoria separada para downloads de vídeo:

  • Vídeos – Filmes
  • Vídeos – Músicas
  • Downloads

Nesse cenário, você poderia ver o total de eventos combinados das três categorias nos seus relatórios. A métrica Total de eventos exibe as contagens de eventos de todas as categorias que você forneceu na implementação da avaliação de eventos. Porém, não é possível visualizar métricas combinadas de todos os vídeos separadamente em "Downloads", porque as métricas detalhadas de eventos são combinadas nas respectivas categorias.

Embora o modelo de objeto de eventos seja totalmente flexível, é necessário planejar a estrutura de relatórios antes de escolher os nomes das categorias. Se você pretende usar o mesmo nome em vários locais, tenha o cuidado de fazer referência ao nome correto da categoria desejada. Por exemplo: não misture "Vídeo" e "Vídeos" para se referir à mesma categoria. Caso contrário, serão criadas duas. Além disso, se você alterar o nome da categoria de um objeto que já foi registrado com outro, os dados históricos da categoria original não serão processados novamente. Assim, serão exibidas métricas do mesmo elemento de página da Web relacionado em duas categorias na interface de relatórios.

Ação

Normalmente, você usará o parâmetro de ação para nomear o tipo de evento ou interação que gostaria de avaliar em um determinado objeto da Web. Por exemplo, com uma única categoria "Vídeos", é possível analisar uma série de eventos específicos com esse parâmetro, como:

  • o momento em que o vídeo termina de carregar;
  • Cliques no botão "Reproduzir"
  • Cliques no botão "Interromper"
  • Cliques no botão "Pausar"

Como em todas as categorias, você escolhe o nome da ação, mas tenha em mente duas características importantes de como uma ação de evento é usada nos relatórios:

  • Todas as ações são relacionadas independentemente das suas categorias principais. Assim, você tem outra forma útil de segmentar os dados do evento para seus relatórios.
  • Um evento exclusivo é determinado por um nome de ação exclusivo. Você pode usar nomes de ação duplicados nas categorias, mas a forma como os eventos exclusivos são calculados pode ser afetada. Veja as sugestões abaixo e a seção "Contagem implícita" para mais detalhes.

Etiqueta

Com as etiquetas, é possível dar mais informações sobre os eventos que você quer analisar, como os títulos de filmes em vídeos ou os nomes dos arquivos obtidos por download.

  • Categoria: "Downloads"
  • Ação: "PDF"
  • Rótulo: "/salesForms/orderForm1.pdf"

Como em todas as categorias e ações, há um relatório que mostra todos os rótulos que você cria. A etiqueta é uma forma de criar outra dimensão de relatórios para interações de usuários com os objetos de páginas. Por exemplo, digamos que você tenha cinco vídeos incorporados a serem analisados na sua página. Cada um deles pode usar a categoria "Vídeos" com a ação "Reproduzir", mas eles também podem ter uma etiqueta diferente (como o nome do filme) para que apareçam como elementos distintos no relatório.

  • Categoria: "Vídeos", ação: "Reproduzir", rótulo: "E o Vento Levou"
  • Categoria: "Vídeos", ação: "Reproduzir", rótulo: "As Aventuras de Huckleberry Finn"

Como em todas as categorias e ações, você escolhe o nome do rótulo, mas tenha em mente duas características importantes de como um rótulo de evento é usado nos relatórios:

  • Todos os rótulos são relacionados independentemente das categorias e ações principais. Assim, você tem outra forma útil de segmentar os dados do evento para seus relatórios.
  • Um evento exclusivo é determinado, em parte, por um nome de rótulo exclusivo. Você pode usar nomes de rótulo duplicados em categorias e ações, mas isso pode afetar o modo como eventos exclusivos são calculados. Veja as sugestões abaixo e a seção "Contagem implícita" para mais detalhes.

Práticas recomendadas para ações e rótulos

Para gerar o melhor relatório possível, lembre-se das sugestões a seguir ao usar as ações:

  • Os nomes das ações precisam ser relevantes para os dados do seu relatório. A avaliação de eventos combina as métricas do mesmo nome de ação em duas categorias diferentes. Por exemplo, se você utilizar a ação "Clicar" para as categorias "Downloads" e "Vídeos", as métricas de "Clicar" no Relatório de ações principais mostrarão todas as interações marcadas com esse mesmo nome. Então, você poderá ver detalhes sobre essa ação por categoria no próximo nível do relatório. No entanto, se a ação for usada indiscriminadamente durante a implementação da avaliação de eventos, esse segmento não terá a mesma utilidade nos relatórios. Além disso, se você planeja usar bastante esse recurso no seu site, escolha nomes de ação relacionados às categorias de dados. Por exemplo, uma opção é reservar o termo "Clicar" para interações de gadgets e utilizar os termos de ação "Reproduzir", "Pausar" e "Interromper" para players de vídeo.
  • Use nomes de ação globalmente para agregar ou diferenciar as interações dos usuários. Por exemplo, você pode usar "Reproduzir" como um nome de ação para a categoria "Vídeos" em todos os vídeos do seu site. Nesse modelo, o Relatório de ações principais fornece dados agregados de eventos para a ação "Reproduzir". Além disso, você pode ver a comparação desse com outros eventos para seus vídeos, como "Pausar" ou "Interromper".

    No entanto, suponha que você queira usar uma categoria de vídeo para os seus relatórios, mas queira algumas informações sobre duas interfaces de player de vídeo diferentes. Você pode usar o nome da ação para distinguir as diferentes interfaces de player sem precisar criar categorias de vídeo separadas. O relatório pode, então, diferenciar os dois players sem perder as vantagens dos dados agregados em todos os vídeos do seu site.

    Categoria: "Vídeos". Ação: "Reproduzir - Chrome para Mac"
    Categoria: "Vídeos". Ação: "Reproduzir - Chrome para Windows"
  • Ação nem sempre significa "ação". Você pode informar qualquer string para a ação. Em algumas situações, o nome real da ação ou do evento não é tão importante. Sendo assim, é possível usar o parâmetro de ação para analisar outros elementos. Por exemplo, se você quiser acompanhar downloads de página, forneça o tipo de arquivo do documento como o parâmetro do evento de download. Nesse cenário, seus relatórios da categoria "Downloads" são divididos por tipo de arquivo (.pdf, .doc, .xls).
  • Os eventos exclusivos são incrementados por ações exclusivas. Sempre que um usuário interage com um objeto marcado com um nome de ação específico, a interação inicial é registrada como um evento exclusivo desse nome de ação. As interações adicionais com o mesmo acionador de ações da sessão desse usuário não contribuem para o cálculo de eventos exclusivos dessa ação específica. Isso ocorre mesmo quando o usuário deixa esse objeto e começa a interagir com outro objeto marcado por meio do mesmo nome de ação.

    Com isso, dois resultados importantes são observados nos relatórios. Primeiro, imagine a interação de um usuário com a ação "Reproduzir" de dois players de vídeo exclusivos marcados com categorias separadas. Os Relatórios de ações principais para "Reproduzir" relacionam um evento exclusivo, mesmo que o usuário tenha utilizado dois players exclusivos. Em segundo lugar, o Relatório de ações de cada categoria relaciona uma ação exclusiva porque há um evento exclusivo por par de ações/categorias. Veja "Contagem implícita" para mais informações.

 

Valor

O componente "valor" é um número inteiro e é usado para atribuir um valor numérico a um objeto de página. Por exemplo, você pode usá-lo para fornecer o tempo de carregamento de um reprodutor em segundos ou acionar um valor monetário quando uma marca de reprodução específica é alcançada em um player de vídeo.

Categoria: "Vídeos". Ação: "Tempo de carregamento do vídeo". Etiqueta: "E o Vento Levou". Valor: downloadTime.

O valor é interpretado como um número e o relatório adiciona os valores totais com base em cada contagem de eventos (veja "Contagem implícita" abaixo). O relatório também determina o valor médio da categoria. No exemplo acima, o evento é chamado para a ação "Tempo de carregamento do vídeo" quando o carregamento do vídeo termina. O nome do vídeo é fornecido como um rótulo, e o tempo de carregamento registrado é acumulado para cada download do vídeo. Você pode determinar o tempo médio de carregamento para todas as ações "Tempo de carregamento do vídeo" da categoria "Vídeos". Suponha que você tenha cinco downloads exclusivos dos vídeos do seu site com os seguintes tempos de download em segundos:

  • 10
  • 25
  • 8
  • 5
  • 5
Seus relatórios calculam esses valores como no exemplo mostrado abaixo. Os números deste exemplo ilustram o tempo de download em segundos:
  • Sessões com eventos: 5
  • Valor: 53
  • Valor médio: 10,6

Inteiros negativos não são permitidos.

Eventos sem interação

O termo "sem interação" se aplica a um parâmetro booleano opcional que pode ser transmitido para o método que envia o hit de evento. Com ele, é possível definir a taxa de rejeição das páginas do site que também incluem a avaliação de eventos. Por exemplo, suponha que você tenha uma página inicial com um vídeo incorporado. É bem natural querer saber a taxa de rejeição da sua página inicial, mas como você quer defini-la? Você considera a interação do visitante com o vídeo da página inicial um sinal de engajamento importante? Nesse caso, a interação com o vídeo precisa ser incluída no cálculo da taxa de rejeição, para que as sessões que incluem apenas sua página inicial com cliques no vídeo não sejam calculadas como rejeições. Por outro lado, você pode preferir um cálculo mais rigoroso da taxa de rejeição para sua página inicial, em que você quer saber a percentagem de sessões que incluem apenas sua página inicial independentemente dos cliques no vídeo. Nesse caso, convém excluir qualquer interação com o vídeo do cálculo da taxa de rejeição.

É aí que se encaixam as etapas de parâmetro sem interação opcionais. Lembre-se de que a rejeição é definida como uma sessão que contém apenas um hit de interação. Por padrão, o hit de evento é considerado um hit de interação, o que significa que está incluído nos cálculos da taxa de rejeição. No entanto, quando esse valor é definido como verdadeiro, o tipo de hit de evento não é considerado um hit de interação. Você pode usar esse fato para ajustar o cálculo da taxa de rejeição para páginas que contêm eventos. Quando esse valor é definido como verdadeiro, uma sessão que contém uma única página marcada com eventos sem interação é contada como uma rejeição, mesmo que o visitante também acione o evento. Por outro lado, se você omitir essa opção, a sessão de uma única página que inclui a avaliação de eventos não será considerada uma rejeição caso o usuário também acione o evento.

Contagem implícita

Na avaliação de eventos, cada interação com o objeto segmentado de uma página da Web é contabilizada e associada a uma determinada sessão do usuário. Nos relatórios, o total de eventos é calculado como o número de interações com esse objeto.

Por exemplo, se um usuário clica cinco vezes no mesmo botão de um vídeo, o número total de eventos associados ao vídeo é 5, e o número de eventos exclusivos é 1.

A tabela a seguir ilustra como os dados são agregados na interface de relatórios para determinada categoria de eventos. Nesse exemplo, o mesmo nome de categoria é chamado de dois players de vídeo separados, cada um deles com um marcador diferente. Esses players compartilham as ações "Reproduzir" e "Interromper" conforme programado na IU do Flash do player de vídeo.

Análise de eventos para a categoria "Vídeos"

Ação Rótulo: "E o Vento Levou" Rótulo: "A Mulher Faz o Homem" Totais
Reproduzir

22 cliques

10 sessões com evento

7 cliques

5 sessões com evento

29 eventos no total e

15 eventos "Reproduzir" exclusivos

Pausar

3 cliques

2 sessões com evento

16 cliques

8 sessões com evento

19 eventos no total e 

10 eventos "Pausar" exclusivos

Parar

2 cliques

2 sessões com evento

4 cliques

3 sessões com evento

6 eventos no total e 

5 eventos "Interromper" exclusivos

Totais

27 eventos no total e

14 eventos exclusivos para "E o Vento Levou"

27 eventos no total e

16 eventos exclusivos "A Mulher Faz o Homem"

54 eventos no total e

30 eventos exclusivos para a categoria "Vídeos"

Um evento recebe o crédito pela sessão com evento somente se ele foi o primeiro de uma sessão. Mesmo que você tenha valores exclusivos para cada categoria, ação e etiqueta de evento, a contagem de eventos únicos não será igual à sessão com evento.

Considerações de implementação

Lembre-se dos pontos a seguir ao implementar a avaliação de eventos.

Impacto da taxa de rejeição

No geral, uma "rejeição" é descrita como uma sessão de uma única página do seu site. No Google Analytics, a rejeição é calculada especificamente como uma sessão que aciona apenas uma solicitação de GIF. Por exemplo: o usuário acessa somente uma página do seu site e sai sem fazer outras solicitações ao servidor do Google Analytics. No entanto, se você implementar a avaliação de eventos no site, poderá observar uma alteração nas métricas da taxa de rejeição nas páginas onde esse recurso é utilizado. Isso ocorre porque a avaliação de eventos, assim como o acompanhamento de páginas, é classificada como uma solicitação de interação.

Por exemplo, suponha que você tenha uma página com um player de vídeo em que a taxa de rejeição seja historicamente alta e que não tenha a avaliação de eventos implementada. Se você configurar esse recurso no player, notará uma diminuição na taxa de rejeição dessa página, porque o Google Analytics grava a interação do usuário com o player e envia essa interação ao servidor como uma solicitação de GIF adicional. Assim, apesar de haver a possibilidade de a mesma porcentagem de visitantes sair sem ver nenhuma outra página no seu site, a interação deles com o player de vídeo aciona chamadas de avaliação de eventos, e a sessão não é considerada uma rejeição.

Dessa forma, as "rejeições" nas suas páginas ativadas para eventos significam algo um pouco diferente: uma sessão de uma única página que não inclui interações do usuário em eventos segmentados.

Lembre-se: qualquer implementação da avaliação de eventos que for executada automaticamente no carregamento de página resultará em uma taxa de rejeição igual a zero.

Limite de eventos por sessão

ga.js

Os 10 primeiros hits de evento enviados para o Google Analytics são processados de forma imediata. Depois, o processamento é limitado a 1 hit de evento por segundo. São processados no máximo 500 hits por sessão.

analytics.js e gtag.js

Os 20 primeiros hits de evento enviados para o Google Analytics são processados de forma imediata. Depois, o processamento é limitado a 2 hits de evento por segundo. São processados no máximo 500 hits por sessão. Isso se aplica a todos os hits, exceto aos de item ou transação relacionados a comércio eletrônico.

Para manter a contabilização de hits abaixo dos limites da sessão, você deve:

  • evitar definir o script de um vídeo de modo a enviar um evento para cada segundo reproduzido e outros acionadores de eventos altamente repetitivos;
  • evitar a avaliação excessiva de movimentos do mouse;
  • evitar mecanismos de intervalo de tempo que geram altas contagens de eventos.

Práticas recomendadas para implementações de eventos

O modelo de design da avaliação de eventos é altamente flexível, e ele pode ser utilizado além do modelo comum de eventos acionados pelo usuário. Além disso, você decide qual será o design. Por isso, os Relatórios de avaliação de eventos úteis requerem a colaboração com seus usuários e o bom planejamento de relatórios.

  • Determine com antecedência todos os elementos cujos dados você quer analisar. Mesmo que apenas um único objeto seja monitorado no seu site, é importante ter uma noção geral sobre os diversos objetos/eventos que serão avaliados. Dessa forma, será mais fácil estabelecer uma estrutura de relatórios adequada ao aumento no número e nos tipos de evento desejados.
  • Trabalhe com o usuário do relatório para planejar seus Relatórios de avaliação de eventos. É importante conhecer com antecedência como os relatórios precisam ser para direcionar a implementação dessa avaliação. Por exemplo, se os relatórios só precisam mostrar a interação com a IU de vídeos, sua estrutura de categorias será bastante diferente dos relatórios que acompanham outras IUs em Flash, como menus, gadgets incorporados e tempos de carregamento. Além disso, é possível informar o usuário do relatório sobre as diferentes possibilidades de acompanhamento disponíveis com a avaliação de eventos para aproveitar sua implementação ao máximo. Por exemplo, ele pode ter interesse em monitorar o comportamento do usuário em uma interface de vídeo em Flash, assim como a latência do tempo de carregamento do vídeo. Nesse caso, você pode planejar com antecedência para ter nomes significativos nas suas chamadas de eventos.
  • Escolha uma convenção de nomenclatura clara e consistente. No processo de implementação da avaliação de eventos, cada nome fornecido para categorias, ações e etiquetas aparece na interface do relatório. Além disso, um par de categoria/ação é tratado como um elemento único nas estatísticas. Portanto, decida primeiro como suas métricas serão calculadas para todos os objetos que pertencem a uma categoria semelhante.

Eventos x metas de eventos

Um evento é a interação de um usuário com seu site ou aplicativo cujos dados podem ser especificados e coletados por meio da modificação do código da tag, conforme descrito nesse artigo.

A meta de evento é um objetivo que você define para identificar um evento específico como uma conversão.

Lembre-se de que você precisa adicionar um código de avaliação de eventos ao seu site ou aplicativo para visualizar dados nos Relatórios de eventos. Leia o artigo que explica como configurar esse recurso.

Isso foi útil?
Como podemos melhorá-lo?