Alterações aos Termos do Programa de Parceiros do YouTube

Tem de aceitar os novos Termos do Programa de Parceiros do YouTube até 10 de julho de 2023 para continuar a rentabilizar conteúdo no YouTube. Os parceiros também têm de aceitar os novos termos para começarem a ganhar receita de anúncios do Shorts a partir de 1 de fevereiro de 2023 ou na data em que os aceitarem.

Anunciámos recentemente como vamos expandir e desenvolver o Programa de Parceiros do YouTube (PPY) através da introdução de novos critérios de elegibilidade para o Shorts e novas formas de ganhar dinheiro no YouTube (incluindo a partilha de receita de anúncios para o Shorts), além da disponibilização do acesso ao Creator Music. 

Para tornar estas alterações possíveis, temos novos Termos do Programa de Parceiros do YouTube. Continue a ler para compreender as alterações mais recentes a estes termos e tome medidas para garantir que o seu canal pode continuar a rentabilizar conteúdo.

Introdução aos Módulos

Restruturámos os termos do Programa de Parceiros do YouTube de modo a incluir novos Módulos que permitem aos criadores ganhar dinheiro através do respetivo conteúdo de forma mais flexível. Após assinarem os Termos Básicos, que são os termos fundamentais do contrato para todos os criadores que tencionem rentabilizar conteúdo na plataforma, os criadores podem escolher os Módulos do contrato de modo a desbloquearem oportunidades de ganhos. 

Termos Básicos

Os Termos Básicos incluem os termos fundamentais do programa (por exemplo, a forma como lhe pagamos e as nossas políticas de conteúdos) e novos termos, como os Custos transferíveis do país e os Ajustes à Autorização de Direitos. Todos os criadores que tencionem aderir ao Programa de Parceiros do YouTube têm de aceitar os Termos Básicos. 

Módulo de Rentabilização de Páginas de Visualização

A página de visualização representa as páginas no YouTube, YouTube Music e YouTube Kids dedicadas à descrição e reprodução dos vídeos de formato longo ou das streams em direto. Para ganhar receita de anúncios e do YouTube Premium em streams em direto ou vídeos de formato longo visualizados na página de visualização, ou em vídeos incorporados noutros sites no leitor de vídeo do YouTube, tem de aceitar o Módulo de Rentabilização de Páginas de Visualização. Os atuais criadores do PPY têm de aceitar este Módulo para continuar a ganhar receita de anúncios a partir da página de visualização. 

Módulo de Rentabilização do Shorts

O Módulo de Rentabilização do Shorts permite ao canal partilhar receita de anúncios visualizados entre vídeos no feed do Shorts. Após aceitar este Módulo, começa a ganhar dinheiro com anúncios do Feed do Shorts e receita do YouTube Premium nas suas visualizações elegíveis de vídeos curtos a partir de 1 de fevereiro de 2023. Se o fizer depois de 1 de fevereiro de 2023, a partilha de receita de anúncios do Shorts começa a ser contabilizada na data em que aceitar o Módulo. Para mais detalhes sobre o funcionamento da partilha de receita de anúncios do Shorts, consulte as políticas de rentabilização do YouTube Shorts

Módulo de Produto Comercial 

O Módulo de Produto Comercial (anteriormente a Adenda de Produto Comercial) desbloqueia uma série de funcionalidades de financiamento pelos fãs que ajudam a ganhar dinheiro e, ao mesmo tempo, interagir com os fãs: Apoio ao canal, Super Chat, Super Stickers e Super Thanks. Estes termos permanecem inalterados. Se já os tiver aceitado, não tem de os aceitar novamente.

O que acontece se não aceitar os termos atualizados

É importante que todos os parceiros verifiquem e compreendam os novos Termos do Programa de Parceiros do YouTube. Tem de aceitar os Termos Básicos para aderir ou permanecer no PPY. 

A partilha de receita de anúncios do Shorts começa a 1 de fevereiro de 2023. Para começarem a ganhar receita de anúncios nas visualizações de vídeos curtos, os parceiros com rentabilização têm de aceitar os Termos Básicos e o Módulo de Rentabilização do Shorts. Enquanto não o fizer, não ganhará dinheiro com anúncios do Feed do Shorts. As visualizações de vídeos curtos acumuladas antes de aceitar o Módulo de Rentabilização do Shorts não são elegíveis para a partilha de receita de anúncios do Shorts.

Para permanecerem no Programa de Parceiros do YouTube e continuarem a rentabilizar conteúdo no YouTube, todos os parceiros com rentabilização têm até 10 de julho de 2023 para verificar e aceitar os novos termos. Se não aceitar, pelo menos, os Termos Básicos até esta data, o canal vai ser removido do Programa de Parceiros do YouTube e o contrato de rentabilização rescindido. Se tal acontecer, tem de se qualificar e candidatar novamente para voltar a aderir ao programa. 

Quando o canal for removido do PPY, tenha em atenção que os Termos de Utilização do YouTube continuam a aplicar-se e a reger a sua utilização do YouTube. Tal inclui o direito de o YouTube rentabilizar e apresentar anúncios no seu conteúdo. Se não faz atualmente parte do Programa de Parceiros do YouTube, mas fazia anteriormente, pode continuar a ver anúncios publicados no seu conteúdo, mas não tem direito a receber o respetivo pagamento. 

Perguntas frequentes

Por que motivo decidiram organizar os termos em Módulos?

A introdução de Módulos nos Termos do Programa de Parceiros do YouTube permite-nos oferecer novas oportunidades de rentabilização no futuro sem necessidade de atualizar nem alterar o contrato de rentabilização na íntegra.

Esta abordagem também confere aos criadores uma maior transparência e foco, permitindo-lhes decidir que oportunidades de rentabilização são adequadas para o respetivo canal.

Posso recusar determinados Módulos depois de os aceitar?

Sim. Pode optar por recusar Módulos de rentabilização específicos em qualquer altura mediante contacto com o apoio técnico para criadores.

Como funciona este processo para canais pertencentes a uma Rede Multicanal (MCN)?

Todos os parceiros com rentabilização têm de aceitar os Termos Básicos atualizados até 10 de julho de 2023 para continuarem a rentabilizar conteúdo. Se a MCN gestora não os aceitar até 10 de julho, mas o respetivo canal afiliado o fizer, o canal afiliado é dispensado da MCN e tratado como qualquer outro parceiro do PPY sem que o respetivo estado de rentabilização seja afetado.

O que devo ter em conta se utilizar o Gestor de Conteúdos do Studio (CMS)?

Os parceiros com acesso ao Gestor de Conteúdos do Studio (CMS) têm de aceitar uma alteração à rentabilização, que inclui a rentabilização do conteúdo de formato longo na página de visualização. Esta alteração inclui também os termos fundamentais do programa (por exemplo, a forma como lhe pagamos e as nossas políticas de conteúdos) e novos termos, como os custos transferíveis do país, os Ajustes à Autorização de Direitos e o conteúdo elegível para remixes. Os parceiros que tencionem desbloquear a partilha de receita de anúncios do Shorts também têm de aceitar o Módulo de Rentabilização do Shorts. 

Os parceiros que utilizam o Gestor de Conteúdos do YouTube Studio também têm de verificar e aceitar os novos termos até 10 de julho de 2023. Se não aceitar, pelo menos, a alteração à rentabilização até esta data, rescindimos o contrato de rentabilização, e os canais deixam de ter a rentabilização ativa no YouTube.
O que significam os novos termos das "Receitas Não Elegíveis" para a rentabilização?

Os Termos do YouTube ajudam-nos a fornecer um ecossistema onde podemos oferecer serviços de valor aos anunciantes e utilizadores, bem como recompensar os criadores de forma responsável e justa. As ocorrências de fraude financeira, através das quais se obtêm injustamente ganhos mediante visualizações falsas ou compras através de cartões de crédito roubados, prejudicam o ecossistema, resultando numa perda de confiança por parte dos anunciantes, criadores e visitantes. 

Quando detetamos este tipo de abuso, as partes afetadas, como anunciantes ou utilizadores, são reembolsadas sempre que tal for apropriado e possível. O YouTube não retém esta receita. Além disso, os criadores também não devem receber nenhuma parte da receita reembolsada. Todas as medidas que podemos tomar são proporcionais às circunstâncias, conforme descrito nas políticas relacionadas. Por exemplo, embora possamos recuperar e reembolsar a receita resultante de fraude financeira, não tencionamos recuperar a receita se, mais tarde, for determinado que os vídeos não cumprem as nossas diretrizes de conteúdo adequado para publicidade.

A secção "Receitas Não Elegíveis" dos novos Termos do Programa de Parceiros do YouTube não reflete as novas políticas. Esta secção serve para explicar de forma mais transparente as nossas atuais Políticas do Programa relativas a alterações ou atrasos de pagamentos em determinadas ocorrências, como fraude financeira. A secção "Receitas Não Elegíveis" abrange 2 cenários diferentes, nos quais podemos recuperar a receita no caso de violações específicas, como tráfego inválido:

  1. O YouTube pode reter ou ajustar ganhos de parceiros associados a uma violação dos termos.
    1. Por exemplo, se detetarmos uma situação de fraude financeira antes de o pagamento ser realizado, podemos ajustar o pagamento de modo a remover a receita associada ou reter o pagamento da parte correspondente da receita enquanto investigamos a fraude. 
  2. O YouTube pode fazer o estorno ou compensar tais valores face a futuros ganhos do parceiro que lhe forem devidos.
    1. Por exemplo, se detetarmos uma situação de fraude financeira depois de o pagamento ser realizado, podemos fazer o estorno da receita associada face a qualquer saldo do AdSense para YouTube que ainda não tenha sido desembolsado, ou compensar ou deduzir este valor de futuros ganhos. Quando isto acontece, os estornos são deduzidos do saldo do AdSense para YouTube e não da conta bancária.
Não alterámos a forma como tratamos a receita de reivindicações do Content ID entre parceiros com rentabilização. Nestes casos, continuaremos a reter a receita enquanto o conflito não estiver resolvido.

 

A informação foi útil?

Como podemos melhorá-la?
Pesquisa
Limpar pesquisa
Fechar pesquisa
Google Apps
Menu principal