Gerenciar sites multilíngues e multirregionais

Se você oferecer conteúdo diferente de acordo com o idioma, o país ou a região dos usuários, otimize os resultados da Pesquisa Google do seu site.

Histórico

  • Um site multilíngue é qualquer site que oferece conteúdo em mais de um idioma. Por exemplo, o site de uma empresa canadense com versões em inglês e francês. A Pesquisa Google tenta encontrar páginas que correspondam ao idioma do usuário.
  • Um site multirregional segmenta explicitamente usuários em países diferentes. Por exemplo, um fabricante de produtos que envia mercadorias para o Canadá e para os Estados Unidos. A Pesquisa Google tenta encontrar a página de localidade correta para o usuário.

Alguns sites são multirregionais e multilíngues. Por exemplo, um site pode ter versões diferentes para os EUA e para o Canadá, além de versões em francês e em inglês do conteúdo canadense.

Gerenciar versões multilíngues do seu site

Se o site tiver conteúdo idêntico em diversos idiomas, confira estas dicas para ajudar os usuários, e a Pesquisa Google, a encontrar a página correta:

Use URLs diferentes para versões de idiomas diferentes

O Google recomenda o uso de URLs diferentes para cada versão de idioma de uma página, em vez de usar cookies ou configurações do navegador para ajustar o idioma do conteúdo na página.

Se você usa URLs diferentes para idiomas diferentes, use as anotações hreflang para ajudar a Pesquisa Google a retornar resultados com a versão de uma página com o idioma correto.

Se você preferir alterar dinamicamente o conteúdo ou redirecionar o usuário com base nas configurações de idioma, saiba que o Google poderá não encontrar e rastrear todas as suas variações. Isso ocorre porque o rastreador do Googlebot geralmente tem origem nos EUA. Além disso, o rastreador envia solicitações HTTP sem definir Accept-Language no cabeçalho da solicitação.

Informe o Google sobre suas diferentes versões de idioma

O Google é compatível com vários métodos diferentes para a inclusão de rótulos indicadores das variantes de idioma ou região de uma página, incluindo anotações hreflang e sitemaps. Marque suas páginas adequadamente.

Use um idioma evidente na página

O Google usa o conteúdo visível da página para determinar seu idioma. Não usamos informações de idioma no nível do código, como os atributos lang ou o URL. É possível ajudar o Google a determinar o idioma corretamente usando somente um idioma para o conteúdo e a navegação de cada página e evitando usar traduções lado a lado.

Traduzir somente o texto padrão das suas páginas e manter a maioria do conteúdo em um único idioma (como geralmente acontece nas páginas que possuem conteúdo gerado pelo usuário) pode proporcionar uma experiência ruim para o usuário, caso o mesmo conteúdo apareça várias vezes nos resultados de pesquisa com vários idiomas padrão.

Use o robots.txt para impedir que os mecanismos de pesquisa rastreiem as páginas do seu site que foram traduzidas automaticamente. As traduções automáticas nem sempre fazem sentido e podem ser classificadas como spam. Acima de tudo, uma tradução artificial ou de má qualidade pode prejudicar a imagem do seu site.

Deixe o usuário mudar o idioma da página

Se você tiver várias versões de uma página:

  • Considere adicionar hiperlinks a outras versões de idioma de uma página. Dessa forma, os usuários podem clicar para escolher uma versão de idioma diferente da página.
  • Evite o redirecionamento automático com base no idioma usado pelo usuário. Esses redirecionamentos podem impedir que os usuários (e os mecanismos de pesquisa) visualizem todas as versões do seu site.

Use URLs específicos ao idioma

É uma boa ideia usar palavras localizadas no URL ou utilizar um Nome de domínio internacional (IDN, na sigla em inglês). No entanto, use a codificação UTF-8 no URL (na realidade, recomendamos o uso de UTF-8 sempre que possível) e não se esqueça do escape correto dos URLs ao vinculá-los.

Segmentar conteúdo do site para um país específico (segmentação geográfica)

É possível segmentar um site, ou partes dele, para usuários de um país e idioma específicos. Isso pode melhorar a classificação da página no país de destino, mas à custa de resultados em outras localidades/idiomas.

Para segmentar geograficamente seu site no Google:

Lembre-se de que a segmentação geográfica não é uma ciência exata, por isso é importante considerar os usuários que acessam a versão "errada" do site. Uma maneira de fazer isso é mostrar links em todas as páginas para que os usuários selecionem a região e/ou idioma de sua preferência.

Não use a análise de IP para adaptar seu conteúdo. A análise de localização do IP é difícil e geralmente não é confiável. Além disso, talvez o Google não consiga rastrear variações do seu site corretamente. A maioria dos rastreamentos do Google, mas não todos, é originária dos EUA, e não tentamos variar o local para detectar variações do site. Use um dos métodos explícitos mostrados aqui (hreflang, URLs alternativos e links explícitos).

Usar URLs específicos à localidade

Considere usar uma estrutura de URL que facilite segmentar geograficamente o site, ou partes dele, para regiões diferentes. A tabela a seguir descreve suas opções:

Estrutura do URL URL de exemplo Vantagens Desvantagens
Domínio específico ao país example.de
  • Segmentação geográfica clara
  • Localização do servidor irrelevante
  • Fácil separação de sites
  • Caro (pode ter disponibilidade limitada)
  • Requer mais infraestrutura
  • Requisitos de ccTLD restritos (às vezes)
Subdomínios com gTLD de.example.com
  • Fácil configuração
  • Pode usar segmentação geográfica no Search Console
  • Permite localizações de servidores diferentes
  • Fácil separação de sites
  • Talvez os usuários não reconheçam a segmentação geográfica apenas a partir do URL ("de" faz referência ao idioma ou ao país?)
Subdiretórios com gTLD example.com/de/
  • Fácil configuração
  • Pode usar segmentação geográfica no Search Console
  • Pouca manutenção (o mesmo host)
  • Os usuários podem não reconhecer a segmentação geográfica somente a partir do URL
  • Único local de servidor
  • Maior dificuldade para separar sites
Parâmetros de URL site.com?loc=de
  • Não recomendado.
  • Dificuldade de segmentação baseada em URL
  • Os usuários podem não reconhecer a segmentação geográfica somente a partir do URL
  • A segmentação geográfica no Search Console não é possível

 

Como o Google determina uma localidade de destino?

O Google conta com vários sinais para determinar o melhor público-alvo de uma página:

  • Um local de destino especificado usando o Relatório de segmentação internacional do Search Console. Caso você use um domínio genérico de nível mais alto (gTLD) e um provedor de hospedagem em outro país, recomendamos usar o Search Console para nos informar a qual país o site precisa estar associado (se você quiser segmentá-lo geograficamente).
  • Nomes de domínio de nível mais alto com o código do país (ccTLDs). Estão associados a um país específico (por exemplo, .de para Alemanha ou .cn para China) e, desse modo, são um sinal claro tanto para usuários quanto para mecanismos de pesquisa de que seu site foi desenvolvido explicitamente para um determinado país. Alguns países têm restrições sobre quem pode usar ccTLDs, por isso, pesquise primeiro. Além disso, tratamos alguns ccTLDs não convencionais (por exemplo, .tv, .me etc.) como gTLDs, já que os usuários e webmasters consideram esses domínios mais genéricos do que os direcionados a países. Não temos uma lista completa desses ccTLDs porque essa lista mudaria ao longo do tempo. Confira a lista de gTLDs do Google.
  • Instruções hreflang, seja em tags, cabeçalhos ou sitemaps.
  • Local do servidor (por meio do endereço IP do servidor). O local do servidor costuma estar fisicamente perto dos usuários e pode ser um sinal sobre o público-alvo de seu site. Alguns sites usam redes de fornecimento de conteúdo (CDNs, na sigla em inglês) distribuídas ou são hospedados em um país com uma infraestrutura melhor de servidores da Web, de modo que esse sinal não é definitivo.
  • Outros sinais. Outras pistas sobre o público-alvo de seu site podem incluir endereços locais e números de telefone nas páginas, o uso do idioma e da moeda locais, links de outros sites locais e/ou o uso do Google Meu Negócio (onde estiver disponível).

O que o Google não faz:

  • O Google rastreia a Web de diferentes locais do mundo. Não tentamos variar a origem do rastreador usado para um único site a fim de encontrar possíveis variações em uma página. Portanto, quaisquer variações de localidade ou idioma expostas pelo site precisam ser comunicadas ao Google explicitamente por meio dos métodos mostrados aqui, como entradas hreflang, ccTLDs ou links explícitos.
  • O Google ignora metatags de localização, como geo.position ou distribution, ou atributos HTML de segmentação geográfica.

Como lidar com páginas duplicadas com sites multilíngues/multirregionais

Se você fornecer conteúdo semelhante ou duplicado em URLs diferentes no mesmo idioma como parte de um site multirregional (por exemplo, se example.de/ e example.com/de/ mostrarem conteúdo semelhante em alemão), será necessário escolher uma versão preferida e usar as tags rel=canonical element e hreflang para garantir que o idioma correto ou o URL regional seja exibido para os usuários.

 

Domínios genéricos de nível mais alto

Os domínios genéricos de nível mais alto (gTLDs, na sigla em inglês) não são associados a locais específicos. Caso seu site tenha um domínio genérico de nível mais alto como .com, .org ou algum dos domínios listados abaixo, e você quiser segmentar usuários de uma localização em particular, será necessário configurar explicitamente uma segmentação por país usando um dos métodos descritos anteriormente.

O Google trata os seguintes domínios como gTLDs que podem ser segmentados geograficamente no Search Console:

  • Domínios genéricos de nível mais alto (gTLDs): a menos que um domínio de nível mais alto seja registrado na Sociedade da Internet para a atribuição de nomes e números (ICANN, na sigla em inglês) como um domínio de nível mais alto com código de país (ccTLD), o Google tratará qualquer domínio de nível mais alto resolvido por meio da zona raiz de DNS da Autoridade para atribuição de números da Internet (IANA, na sigla em inglês) como um gTLD. Exemplos:
    • .com
    • .org
    • .edu
    • .gov
    • e muito mais
  • Domínios genéricos de nível mais alto regionais: ainda que esses domínios sejam associados a regiões geográficas, eles geralmente são considerados domínios genéricos de nível mais alto (como .com ou .org).
    • .eu
    • .asia
  • Domínios genéricos de nível mais alto com código de país (ccTLDs): o Google trata alguns ccTLDs (por exemplo, .tv, .me e outros) como gTLDs, tendo em vista que os usuários e webmasters tendem a considerar esses domínios mais genéricos do que os geograficamente segmentados. Veja uma lista desses ccTLDs a seguir (sujeita a alterações).
    • .ad
    • .as
    • .bz
    • .cc
    • .cd
    • .co
    • .dj
    • .fm
    • .io
    • .la
    • .me
    • .ms
    • .nu
    • .sc
    • .sr
    • .su
    • .tv
    • .tk
    • .ws
Este artigo foi útil para você?
Como podemos melhorá-lo?