Práticas recomendadas de vídeo

Fazer com que seus vídeos sejam encontrados pela Pesquisa Google

Dos bilhões de pesquisas do Google feitas todos os dias, muitas são buscas por conteúdo de vídeo. Seguir as práticas recomendadas listadas aqui (assim como nossas diretrizes para webmasters habituais) pode aumentar a probabilidade dos seus vídeos serem retornados nos resultados da pesquisa.

Os resultados de vídeo na Pesquisa Google aparecem nos resultados da Pesquisa e nos da pesquisa de vídeos em conjunto. Quando um usuário clica no resultado do vídeo, ele é direcionado para sua página, onde pode assistir ao vídeo.

 

Como o Google rastreia um vídeo

Para expor um vídeo nos resultados da pesquisa, o Google precisa entender algumas informações sobre o vídeo. O Google pode extrair essas informações das seguintes formas:

  • O Google pode rastrear o vídeo (se estiver em uma codificação de vídeo compatível) e extrair uma miniatura e visualização. O Google também pode extrair algum significado limitado de áudio e vídeo do arquivo.
  • O Google pode extrair informações da página que hospeda o vídeo, incluindo o texto da página e as metatags.
  • O Google pode usar dados estruturados (VideoObject) ou Sitemap de vídeo associados ao vídeo.
Conteúdo do YouTube: os vídeos do YouTube são sempre rastreáveis. No entanto, recomendamos que você forneça um Sitemap de vídeo ou dados estruturados para ajudar o Google a encontrar o vídeo do YouTube incorporado na sua página. Os sitemaps e dados estruturados também ajudam no fornecimento de informações adicionais sobre o vídeo.

Sobre os resultados da pesquisa de vídeos

A forma como seu vídeo é exibido na pesquisa (ou se ele é exibido) depende do volume de informações que você fornece ao Google. O Google exige duas informações para expor seu vídeo nos resultados da pesquisa: uma imagem em miniatura e um link para o arquivo de vídeo em questão. No entanto, quanto mais informações você fornecer, melhor será sua experiência com os resultados da pesquisa.

Veja os dois níveis básicos de aspecto da pesquisa de vídeo: 

  • Aspecto básico: se você fornecer ao Google o mínimo de informação, seu vídeo poderá aparecer nos resultados da Pesquisa e nos resultados da pesquisa de vídeo em conjunto com uma imagem em miniatura e um link. Recursos avançados, como visualização de vídeo ou análise de conteúdo, não estarão disponíveis. As informações mínimas são uma imagem em miniatura e um link para o arquivo de vídeo.


    Exemplo de resultado básico de vídeo

  • Aspecto aprimorado: se você fornecer mais informações, o Google poderá oferecer mais recursos para o vídeo, como visualização, duração e data do vídeo, além de informações do provedor, capacidade de restringir resultados da pesquisa com base no país ou no dispositivo de pesquisa do usuário e muito mais.

    Sample desktop video search result
    Exemplo de resultado aprimorado de vídeo em computadores desktop

    Sample mobile video search result
    Exemplo de resultado aprimorado de vídeo para dispositivos móveis

 

Práticas recomendadas

Requisitos mínimos para o resultado da pesquisa de vídeo:

Se você quiser que o vídeo seja qualificado para os resultados da pesquisa:

  • O Google precisa encontrar o vídeo. Os vídeos são identificados na página pela presença de uma tag HTML, por exemplo: <video>, <embed> ou <object>. A página não pode exigir ações complexas do usuário ou fragmentos de URL específicos para carregar, do contrário, o Google talvez não a encontre. Dica: embora possamos encontrar vídeos incorporados em uma página por meio do rastreamento natural, você pode nos ajudar a encontrar seus vídeos publicando um Sitemap de vídeo.
  • Você precisa fornecer uma imagem em miniatura de alta qualidade para o vídeo.
  • Cada vídeo deve estar em uma página publicamente disponível onde os usuários possam assistir ao vídeo. A página não deve exigir um login ao usuário. A página também não deve ser bloqueada por robots.txt ou noindex, ela precisa ser acessível via Google.
  • O conteúdo do vídeo deve ser aplicado especificamente ao conteúdo da sua página de hospedagem. Por exemplo, se você tiver uma página de receita para torta de pêssego, não insira um vídeo sobre doces em geral.
  • Todas as informações fornecidas em um Sitemap de vídeo ou marcação de vídeo devem ser consistentes com o conteúdo do vídeo em questão.


Para resultados melhores:

Se você seguir estas outras etapas, o Google poderá fornecer os melhores resultados da pesquisa para seu vídeo:

Fornecer uma miniatura de alta qualidade para seu vídeo

Um vídeo precisa ter uma imagem em miniatura que pode ser exibida nos resultados da pesquisa de vídeo do Google a fim de se qualificar para isso.

Você pode fornecer (ou ativar) uma miniatura de várias maneiras:

  • Se você usar a tag HTML <video>, especifique o atributo poster.
  • Em um Sitemap de vídeo, especifique <video:thumbnail_loc>.
  • Nos dados estruturados, especifique VideoObject.thumbnailUrl.
  • Forneça um vídeo em formato rastreável, e poderemos gerar uma miniatura para você.

Formatos preferidos: JPG, PNG.

Tamanho: de 160 x 90 a 1.920 x 1.080 pixels.

Local: a miniatura de visualização precisa ser acessível via Googlebot, ou seja, não bloqueada pelo robots.txt ou por uma solicitação de login.

Tornar seu vídeo rastreável

Se o Google conseguir rastrear seu vídeo, poderemos gerar uma imagem em miniatura para você, ativar a visualização de vídeo e fornecer outros recursos.

Para tornar seu vídeo rastreável:

  • O vídeo precisa estar em um formato compatível.
  • A página do host de vídeo e os bytes do arquivo de streaming não podem ser bloqueados para o Google. Bloqueado significa que a página ou o arquivo são protegidos por paywall, exigem login ou têm bloqueios noindex ou robots.txt.
  • A página do host de vídeo e o servidor de streaming do vídeo em questão precisam ter a largura de banda a ser rastreada. Portanto, se sua página de destino em example.com/puppies.html tiver um vídeo incorporado de filhotes veiculado por somestreamingservice.com, tanto example.com quanto somestreamingservice.com deverão ser desbloqueados e ter o carregamento do servidor disponível.

Codificações de vídeo compatíveis

O Google consegue rastrear os seguintes tipos de arquivo de vídeo: .3g2, .3gp2, .3gp, .3gpp, .asf, .avi, .divx, .f4v, .flv, .m2v,, .m3u8, .m4v, .mkv, .mov, .mp4, .mpe, .mpeg, .mpg, .ogv, .qvt, .ram, .rm, .vob, .webm, .wmv e .xap.

A tecnologia Flash não é mais compatível com a maioria dos navegadores da Web para dispositivos móveis, e o uso dela deverá ser suspenso pela Adobe em 2020. Se o vídeo estiver no formato Flash, considere transcodificá-lo para outro formato compatível com navegadores para dispositivos móveis.

Descrever seu vídeo usando dados estruturados ou um Sitemap de vídeo

Você pode fornecer outras informações sobre seu vídeo ao Google usando dados estruturados, um Sitemap de vídeo ou ambos. Essas informações extras podem ativar mais recursos nos resultados da pesquisa e nos ajudar a entender e classificar melhor seu vídeo.

Ambas as técnicas podem expor as mesmas informações ao Google, mas um Sitemap de vídeo pode ajudar o Google a encontrar novos conteúdos ou conteúdo atualizado com mais rapidez. Já os dados estruturados podem ser mais familiares para alguns sites do que os sitemaps, além de serem mais consistentes nesse site com o uso de dados estruturados para permitir resultados de pesquisa aprimorada. Você pode usar as duas técnicas para seu site, mas, se fizer isso, verifique se os dados estão consistentes nos dois locais.

Dados estruturados

Adicione dados estruturados descrevendo seu vídeo na página de hospedagem. Os dados estruturados são informações que você fornece de acordo com um formato bem definido usando tags ou JSON. Quando o Google rastreia a página, ele pode ler e entender esse formato para extrair informações sobre seu vídeo.

Há vários formatos que você pode usar, mas o Google recomenda a sintaxe VideoObject do schema.org no formato JSON-LD.

VideoObject do schema.org (recomendado)

Incorpore o código para VideoObject na página. O VideoObject está associado ao vídeo incorporado que tem um URL de origem correspondente.

Saiba como incorporar uma descrição do VideoObject na sua página para cada vídeo.

Exemplo de VideoObject JSON-LD

<html>
<head>
  <title>Bife à milanesa em uma hora</title>
</head>
<body>
  <script type="application/ld+json">
  {
    "@context": "http://schema.org",
    "@type": "VideoObject",
    "name": "Schnitzel Stories",
    "description": "How to make fantastic schnitzel in just one hour",
    "thumbnailUrl": "https://example.com/imgs/schnitzel-small.jpg",
    "uploadDate": "2015-02-05T08:00:00+08:00",
    "duration": "PT1M33S",
    "contentUrl": "https://streamserver.example.com/schnitzel.mp4"
  }
  </script>
  <h1>Todos amam bife à milanesa</h1>

  ... conteúdo da página relacionado a bife à milanesa omitido...

  <video width="420"
      src="https://streamserver.example.com/schnitzel.mp4"
      poster="https://example.com/imgs/schnitzel-small.jpg"/>
</body>
</html>

 

VideoObject simples ou pesquisa aprimorada para TV/filme?

Se você estiver apenas descrevendo um programa de TV ou filme com informações (como resenhas e dados de elenco) ou se o vídeo exigir ações complexas (como compra e locação), será necessário implementar o tipo de dados estruturados de TV ou filme no seu site. O uso de dados estruturados de TV ou filme permite uma pesquisa aprimorada que pode incluir avaliações, resenhas e informações sobre atores, bem como links para serviços de streaming gratuitos ou pagos. A pesquisa aprimorada é exibida somente no painel de resultados da pesquisa combinada.

 
Protocolo Open Graph

Como uma alternativa à sintaxe do VideoObject do schema.org, o Google também pode processar alguns metadados do protocolo Open Graph. As tags precisam descrever o vídeo principal e de maior destaque da página.

Sitemap de vídeo

Um Sitemap de vídeo é um sitemap XML que o Google usa para encontrar vídeos no seu site e que também pode fornecer informações sobre um vídeo ao Google. Uma entrada de Sitemap de vídeo pode descrever um vídeo da mesma forma que um elemento de dados estruturados VideoObject. A vantagem de usar um Sitemap de vídeo é que ele também ajuda o Google a encontrar vídeos novos ou atualizados. Além disso, ele pode descrever vários vídeos em um arquivo, em vez de exigir que o Google rastreie cada página e descubra as alterações individualmente.

Saiba como criar um Sitemap de vídeo.

Atualizar seu conteúdo

Notifying Google of Video Updates

 

Você pode informar ao Google quando um vídeo foi alterado, dependendo de como você nos ajudou a encontrar ou ler seu conteúdo. Se você simplesmente trocar o URL ou arquivo de origem do vídeo sem outras alterações, o Google pode não notar a mudança.

  • Dados estruturados: quando seus dados estruturados de vídeo na página mudam, o Google vê a alteração na próxima vez que rastreia a página. Você pode notificar o Google sobre uma página alterada usando um sitemap normal ou um de vídeo.
  • Sitemaps de vídeo e mRSS: quando você publica um Sitemap de vídeo, o Google o rastreia periodicamente e atualiza os resultados da pesquisa com quaisquer dados de vídeo alterados. Você também pode reenviar um sitemap ou notificar o Google sobre um sitemap alterado para solicitar um novo rastreamento imediato. Saiba mais sobre como enviar sitemaps e como usar solicitações HTTP para atualizar sitemaps.

Remover um vídeo

Recomendamos as seguintes opções para remover um vídeo do seu site:

  • Retorne um código de status HTTP 404 (Não encontrado) para qualquer página de destino que contenha um vídeo removido ou expirado. Além do código de resposta 404, você ainda pode retornar o HTML da página para tornar essa alteração visível para a maioria dos usuários.
  • Indique uma data de expiração nos dados estruturados do schema.org, no Sitemap de vídeo (use o elemento <video:expiration_date>) ou no feed mRSS (tag <dcterms:valid>). Veja um exemplo de Sitemap de vídeo com um vídeo que expirou em novembro de 2009:
    <urlset xmlns="http://www.sitemaps.org/schemas/sitemap/0.9"
            xmlns:video="http://www.google.com/schemas/sitemap-video/1.1"> 
      <url> 
        <loc>http://www.example.com/videos/some_video_landing_page.html</loc>
        <video:video>
          <video:thumbnail_loc>
              http://www.example.com/thumbs/123.jpg
          </video:thumbnail_loc> 
          <video:title>
              Carne assada para o verão
          </video:title>
          <video:description>
              Bob mostra como assar a carne do jeito certo
          </video:description>
          <video:player_loc>
              http://www.example.com/videoplayer?video=123
          </video:player_loc>
          <video:expiration_date>2009-11-05T19:20:30+08:00</video:expiration_date>
        </video:video> 
      </url> 
    </urlset>
    
Se você precisar que o vídeo seja removido dos resultados da pesquisa imediatamente, será necessário enviar uma solicitação de remoção. O vídeo não pode estar presente ou acessível ao Google (ou seja, um status 404 ou um início de sessão são obrigatórios) para que o pedido seja atendido.

Evitar o uso de condicionais de carregamento de vídeo complexos

Ao projetar seu site, configure suas páginas de vídeo sem qualquer interação excessivamente complexa com o usuário ou condições necessárias para carregar um vídeo. Por exemplo, se você estiver usando JavaScript complicado para incorporar os objetos de vídeo a partir do JavaScript somente em determinadas circunstâncias (por exemplo, usando tags hash no URL), também é possível que não encontremos todos os seus vídeos. Isso é especialmente importante se você não estiver usando um sitemap para listar o vídeo.

Criar uma ótima experiência do usuário nas páginas do vídeo

Além de ter ótimos vídeos, você precisa pensar no design das páginas HTML em que seu conteúdo está inserido. Por exemplo, considere o seguinte:

  • Crie uma página de destino autônoma para cada vídeo, onde você possa reunir todas as informações relacionadas. Ao fazer isso, forneça informações exclusivas (como títulos e legendas descritivas) em cada página.
  • Facilite ao máximo para que os usuários encontrem e reproduzam os vídeos em cada página de destino. A presença de um player de vídeo incorporado e em destaque que usa formatos de vídeo com ampla compatibilidade torna seus vídeos mais atrativos para os usuários e mais fáceis para o Google indexar.

Restringir usuários por plataforma

Você pode restringir os resultados da pesquisa para seu vídeo com base na plataforma do usuário. As plataformas incluem navegadores para computadores, dispositivos móveis e televisão.

Video Platform Restrictions

Restringir por plataforma usando um Sitemap de vídeo

Se o vídeo não tiver restrições de plataforma, você deve omitir a tag de restrição de plataforma.

Nos Sitemaps de vídeo, a tag <video:platform> pode ser usada para permitir ou impedir que o vídeo apareça nos resultados da pesquisa dos dispositivos especificados. Somente uma tag <video:platform> é permitida por entrada de vídeo. A tag tem um atributo relationship obrigatório que especifica se as plataformas listadas são excluídas ou obrigatórias.

Exemplo

Neste exemplo de Sitemap de vídeo, o vídeo será exibido somente em navegadores para computadores e dispositivos móveis.

<url>
  <loc>http://www.example.com/videos/some_video_landing_page.html</loc>
  <video:video>
    <video:thumbnail_loc>
        http://www.example.com/thumbs/123.jpg
    </video:thumbnail_loc>
    <video:title>Carne assada para o verão</video:title>
    <video:description>
        Bob mostra como conseguir filés perfeitos todas as vezes
    </video:description>
    <video:player_loc>
        http://www.example.com/videoplayer?video=123
    </video:player_loc>
    <video:platform relationship="allow">web mobile</video:restriction>
  </video:video>
</url>

Restringir por plataforma usando dados estruturados ou mRSS

Não há tag de restrição de plataforma para feeds mRSS ou VideoObject.

Restringir usuários por país

Você pode restringir os resultados da pesquisa para seu vídeo com base na localização do pesquisador. Se o vídeo não tiver restrições de país, você deve omitir as tags de restrição de país.

Video Country Restrictions

Restringir por país usando um Sitemap de vídeo

Em um Sitemap de vídeo, a tag <video:restriction> pode ser usada para permitir ou impedir que o vídeo apareça em determinados países. Somente uma tag <video:restriction> é permitida por entrada de vídeo.

A tag <video:restriction> precisa conter um ou mais códigos de país ISO 3166 delimitados por espaços. O atributo relationship exigido especifica o tipo de restrição.

  • relationship="allow": o vídeo será exibido somente para os países especificados. Se nenhum país for especificado, o vídeo não aparecerá em qualquer lugar.
  • relationship="deny": o vídeo será exibido em todos os lugares, exceto nos países especificados. Se nenhum país for especificado, o vídeo será exibido em todos os lugares.

Neste exemplo de Sitemap de vídeo, o vídeo será exibido somente no Canadá e no México.

   <url> 
     <loc>http://www.example.com/videos/some_video_landing_page.html</loc>
     <video:video>
       <video:thumbnail_loc>
           http://www.example.com/thumbs/123.jpg
       </video:thumbnail_loc> 
       <video:title>Carne assada para o verão</video:title>
       <video:description>
           Bob mostra como conseguir filés perfeitos todas as vezes
       </video:description>
       <video:player_loc>
           http://www.example.com/player?video=123
       </video:player_loc>
       <video:restriction relationship="allow">ca mx</video:restriction> 
     </video:video> 
   </url>

Restringir por país usando dados estruturados

Se você usar dados estruturados VideoObject para descrever um vídeo, defina a propriedade VideoObject.regionsAllowed para especificar quais regiões podem receber o resultado da pesquisa de vídeo. Se você omitir essa propriedade, todas as regiões poderão ver o vídeo nos resultados da pesquisa.

Restringir por país usando mRSS

Os vídeos em feeds mRSS podem especificar restrições de país usando a tag media:restriction com o atributo type obrigatório definido como country. A tag media:restriction também requer um atributo de relationship definido para allow ou deny e aceita uma lista delimitada por espaço dos códigos de país ISO 3166.

Neste exemplo de entrada mRSS, este vídeo será exibido em todos os lugares, exceto para os Estados Unidos e o Canadá.

  <item xmlns:media="http://search.yahoo.com/mrss/" xmlns:dcterms="http://purl.org/dc/terms/">
    <link>http://www.example.com/examples/mrss/example.html</link>
    <media:content url="http://www.example.com/examples/mrss/example.mp4"
                   fileSize="405321" type="video/x-flv" height="240"
                   width="320" duration="120" medium="video"
                   isDefault="true">
      <media:title>Carne assada para o verão</media:title>
      <media:description>
          Consiga filés perfeitos todas as vezes
      </media:description>
      <media:thumbnail
          url="http://www.example.com/examples/mrss/example.png"
          height="120" width="160"/>
    </media:content>
    <media:restriction relationship="deny" type="country">us ca</media:restriction>
  </item>

Leia mais sobre o uso de feeds mRSS para a pesquisa de vídeos do Google ou sobre a tag media:restriction na especificação mRSS.

Qual URL é qual?

Existem vários URLs que podem ser associados a um arquivo de vídeo na página. Veja um resumo da maioria deles:

Diagram of URLs in a page

  Tag Descrição
1
  • <loc>
    (tag do Sitemap de vídeo)

O URL da página que hospeda o vídeo. Exemplo:

<loc>https://example.com/news/worlds-biggest-cat.html</loc>

2
  • VideoObject.embedUrl
    (dados estruturados)
  • <video:player_loc>
    (tag do Sitemap de vídeo)
  • <iframe src="...">

O URL do player personalizado. Geralmente, este é o valor src para uma tag <iframe> ou <embed> na página. Exemplo:

<video:player_loc>
https://archive.example.org/cats/1234</video:player_loc>

3
  • <video src="...">
    (tag HTML)
  • <embed src="...">
    (tag HTML)
  • <video:content_loc>
    (tag do Sitemap de vídeo)
  • VideoObject.contentUrl
    (dados estruturados)

O URL dos bytes de conteúdo reais, no site local ou em um serviço de streaming. Exemplo:

<video src="videos.example.com/cats/1234.mp4">

 

Ao incluir dados estruturados, um Sitemap de vídeo ou um sitemap alternativo, você deve apontar para o player incorporado ou os bytes de arquivo, conforme apropriado para o campo.

Bloquear um vídeo dos resultados da Pesquisa Google

Se você quiser ocultar um vídeo dos resultados da Pesquisa Google, existem alguns métodos para isso:

  • Coloque algum tipo de tela de login para a página do host e arquivo de vídeo.
  • Adicione uma restrição de país em um Sitemap de vídeo e especifique uma lista de permissões vazia:
    <video:restriction relationship="allow"></video:restriction>
  • Use o robots.txt para bloquear o vídeo de origem e/ou a página do host. Se o vídeo e a página do host forem do mesmo site, bloqueie o URL do arquivo de origem (o endereço contentUrl) e o URL da página do host. Se o vídeo estiver hospedado em uma CDN diferente, basta bloquear a página do host/player.
  • Retorne uma resposta HTTP noindex para a página do host e o arquivo (se ele existir na sua página).

Nenhum desses métodos impede que outra página seja vinculada ao seu vídeo ou página.

Erros comuns de indexação de vídeo

Estes são alguns dos erros mais comuns de indexação de vídeo que vimos e sugerimos que você os resolva para aumentar a probabilidade dos seus vídeos serem exibidos nos resultados da pesquisa. Consulte também nossas diretrizes para webmasters.

Common Video Indexing Pitfalls

Bloquear recursos com o robots.txt

Uma prática comum é usar o robots.txt para impedir que mecanismos de pesquisa rastreiem arquivos JavaScript, de vídeo e de imagem. Para que o Google indexe um vídeo, precisamos ver a miniatura especificada nos seus dados estruturados ou no seu sitemap, a página em que o vídeo está, o vídeo em si e qualquer JavaScript ou outros recursos necessários para carregar o vídeo. Verifique se as regras do robots.txt não bloqueiam nenhum desses recursos relacionados ao vídeo.

Se você estiver usando Sitemaps de vídeo ou mRSS, verifique se o Google pode acessar qualquer sitemap ou feed mRSS enviado por você. Se eles forem bloqueados pelo robots.txt, não poderemos fazer a leitura.

Saiba mais sobre o arquivo robots.txt.

Imagens em miniatura de baixa qualidade

Aceitamos miniaturas de qualquer formato de imagem, mas achamos que as imagens .png e .jpg funcionam melhor. As imagens precisam ter pelo menos 160 x 90 pixels e no máximo 1.920 x 1.080 pixels.

Miniaturas, descrições ou títulos duplicados

Usar a mesma miniatura, título ou descrição para diferentes vídeos pode afetar a indexação e confundir os usuários. Os dados de cada vídeo devem ser únicos. Para conteúdo episódico, é um problema comum ter vários vídeos com a mesma miniatura da tela de título.

Definir uma data de expiração no passado

Quando o Google vê um vídeo com uma data de expiração no passado, ele não é incluído nos resultados da pesquisa. Isso inclui datas de expiração de sitemaps, dados estruturados na página e a metatag de expiração no cabeçalho do site. As datas de expiração precisam estar corretas em cada vídeo. Embora isso seja útil se o vídeo não estiver mais disponível após a data de expiração, é fácil configurar acidentalmente a data no passado para um vídeo disponível. Se um vídeo não for expirar, não inclua informações de expiração.

Listar vídeos removidos

Quando um vídeo incorporado é removido de uma página, alguns sites usam um Flash player para informar aos usuários que ele não está mais disponível. Isso pode ser problemático para mecanismos de pesquisa. Por esse motivo, recomendamos as seguintes opções:

  • Retornar um código de status HTTP 404 (Não encontrado) para qualquer página de destino que contenha um vídeo removido ou expirado. Além do código de resposta 404, você ainda pode retornar o HTML da página para tornar isso visível para a maioria dos usuários.
  • Indicar as datas de expiração nos dados estruturados na página, nos Sitemaps de vídeo (use o elemento <video:expiration_date>) ou no feed mRSS (<dcterms:valid>) enviados ao Google.

JavaScript complexo e fragmentos de URL

Ao projetar seu site, configure suas páginas de vídeo sem qualquer JavaScript excessivamente complexo. Se você estiver usando JavaScript excessivamente complicado para incorporar os objetos a partir do JavaScript somente em determinadas circunstâncias, também é possível que não indexemos seus vídeos corretamente. Os URLs para conteúdo ou páginas de destino que exigem "marcações hash" ou identificadores de fragmento não são compatíveis. Além disso, o uso de Flash na página pode impedir uma indexação eficiente. Para melhores resultados, exiba o título e a descrição do seu vídeo em uma marcação HTML simples em vez de usar o Flash.

Se você estiver usando dados estruturados na página, eles devem estar presentes sem precisar rodar o Flash ou outros players incorporados.

Vídeos pequenos, ocultos ou difíceis de encontrar

Seus vídeos precisam estar visíveis e ser fáceis de encontrar nas suas páginas de vídeo. O Google sugere o uso de uma página autônoma para cada vídeo com um título descritivo ou uma descrição única para cada vídeo individual. Os vídeos devem estar destacados na página e não devem ser ocultados ou difíceis de encontrar.

Este artigo foi útil para você?
Como podemos melhorá-lo?