Gerenciamento de inventário

Declarar vendedores autorizados com ads.txt

O Authorized Digital Sellers (ou ads.txt) é uma iniciativa do IAB que ajuda a garantir que seu inventário de anúncios digital seja vendido apenas por vendedores (como o Google AdSense) que você identificou como autorizados. A criação de um arquivo ads.txt dá a você mais controle sobre quem tem permissão para vender anúncios no seu site. Isso também ajuda a evitar que um inventário falsificado seja apresentado aos anunciantes.

É altamente recomendável usar um arquivo ads.txt. Ele pode auxiliar os compradores na identificação de um inventário falsificado e ajudar você a receber mais dos anunciantes (valores que poderiam ter ido para esse inventário falsificado).

Observação: estas instruções descrevem como criar um arquivo ads.txt para editores do Google. Outros editores devem entrar em contato com a SSP ou o mercado de publicidade que utilizam.

Criar seu próprio arquivo ads.txt para o Google AdSense

Veja como criar um arquivo ads.txt para declarar publicamente que o Google está autorizado a vender seu inventário de anúncios:

  1. Crie um arquivo de texto (.txt).
  2. Inclua a seguinte linha:

    google.com, pub-0000000000000000, DIRECT, f08c47fec0942fa0

    Importante: substitua pub-0000000000000000 pelo seu ID do editor.
  3. Hospede o arquivo ads.txt na raiz do seu domínio (por exemplo, https://example.com/ads.txt).

    A raiz fica um nível abaixo do que está relacionado na lista de sufixos públicos. Por exemplo, "google.com.br" é um domínio raiz de "com.br", mas "maps.google.com.br" não é. Consulte a especificação do IAB sobre o arquivo ads.txt.

Quais informações são incluídas em um arquivo ads.txt?

Inclua uma linha separada no arquivo para cada vendedor autorizado. Cada linha na lista ads.txt de um editor exige três conjuntos de dados (além de um quarto campo opcional):

<Field #1>, <Field #2>, <Field #3>, <Field #4>

  • <Field #1>: nome de domínio do sistema de publicidade (obrigatório).

    Nome de domínio canônico de SSP, troca, wrapper de cabeçalho etc. Sistema ao qual os proponentes se conectam. Pode ser o domínio operacional do sistema (se ele for diferente do domínio corporativo pai) para facilitar as pesquisas WHOIS e de IP inversas de modo a estabelecer uma propriedade clara do sistema delegado. O ideal é que a SSP ou a troca publique um documento detalhando o nome de domínio a ser usado. 

    Para as contas de vendedor do Google, o nome de domínio é sempre google.com.

  • <Field #2>: ID da conta do editor (obrigatório).

    O identificador associado à conta do vendedor/revendedor dentro do sistema de publicidade, no campo nº 1. É necessário conter o mesmo valor usado em transações (por exemplo, solicitações de lance do OpenRTB) no campo especificado pela SSP/troca. Geralmente, esse campo é publisher.id no OpenRTB. Já no OpenDirect, ele costuma ser o ID da organização do editor. 

    Para contas de vendedor do Google, use o ID do editor que é exibido em cada uma delas (por exemplo, pub-0000000000000000). Para encontrá-lo, faça o seguinte:

    Inclua apenas o prefixo pub- e o código numérico de 16 dígitos na sua declaração. Exclua o prefixo específico do produto (por exemplo, ca- ou ca-video-). Se você gera receita por meio de várias contas do Ad Manager e/ou do AdSense, inclua uma linha separada para cada uma, com o código pub- correspondente.
    Os domínios onde um ads.txt é postado, mas o ID de editor do vendedor não é autorizado no arquivo, não geram mais receita pelo Ad Manager, e o Google não compra mais anúncios nesses sites. Para que isso não afete seus ganhos, atualize os arquivos ads.txt e inclua IDs de editor de todos os sites que você quer que gerem receita (saiba como atualizar o ads.txt no Ad Manager). Se você usa o Scaled Partner Management, recomendamos trabalhar com os parceiros escalados para incluir seu ID de editor nos arquivos ads.txt deles.
  • <Campo #3>: tipo de conta/relacionamento (obrigatório).

    Uma enumeração do tipo de conta.

    • Um valor 'DIRECT' indica que o editor (proprietário do conteúdo) controla diretamente a conta indicada no campo nº 2 do sistema no campo nº 1. Geralmente, isso representa um contrato comercial direto entre o editor e o sistema de publicidade.

      Os editores do Google que controlam diretamente a conta indicada no campo nº 2 devem especificar 'DIRECT'.

    • Um valor 'RESELLER' indica que o editor autorizou outra entidade a controlar a conta exibida no campo nº 2 e a revender o espaço para anúncios por meio do sistema no campo nº 1. Outros tipos podem ser adicionados no futuro. Esse campo deve ser tratado como indiferente a maiúsculas na interpretação dos dados.

      Os editores do Google que não controlam diretamente a conta indicada no campo nº 2 devem especificar 'RESELLER'. Por exemplo, uma conta do Ad Manager que usa o Network Partner Management deve especificar 'RESELLER' para o inventário não gerenciado diretamente por ela.

  • <Field #4>: ID de autoridade de certificação (opcional).

    Um ID que identifica de forma exclusiva o sistema de publicidade em uma autoridade de certificação. Esse ID faz o mapeamento para a entidade listada no campo nº 1. O Trustworthy Accountability Group (TAG) é uma autoridade de certificação atual, e o ID dele é incluído aqui.

    Para as contas de vendedor do Google, o ID do TAG é f08c47fec0942fa0.

Perguntas frequentes

Há um alerta sobre meu arquivo ads.txt no Google AdSense. Como faço para verificar qual site contém um arquivo ads.txt incorreto?

Se você vir um alerta sobre ads.txt na sua conta, acesse a página Sites para conferir uma lista dos sites afetados.

Não consigo colocar um arquivo no meu domínio raiz. O que devo fazer?

Você não precisa usar o arquivo ads.txt. No entanto, se um arquivo ads.txt for adicionado ao seu domínio raiz, entre em contato com o webmaster e solicite a inclusão do seu ID de editor no arquivo.

Como o Google aplicará restrições aos ads.txt?

Sempre que um ads.txt for postado em um domínio raiz, o Google usará o conteúdo do arquivo para determinar quais contas de vendedores do Google poderão veicular anúncios nesse domínio raiz.

Quando você solicitar um anúncio para um determinado site, verificaremos se o domínio raiz desse site contém um arquivo ads.txt. Se não tiver, não haverá outras restrições. Se houver um arquivo ads.txt e seu ID do editor for incluído corretamente, faremos um leilão e retornaremos o anúncio vencedor. Se houver um arquivo, mas seu ID do editor não estiver correto, não faremos um leilão para essa solicitação.

Nosso sistema verifica automaticamente se há arquivos novos e atualizados. Além disso, pode levar até 24 horas para registrar alterações quando você atualiza ou remove um arquivo ads.txt.

O Google só aceita arquivos ads.txt em domínios raiz ou também em subdomínios?

O Google rastreará e aplicará os arquivos ads.txt em subdomínios, caso eles existam e sejam mencionados no arquivo ads.txt no domínio raiz. Atualmente, a ferramenta de gerenciamento de ads.txt não mostra uma lista de subdomínios rastreados. Divulgaremos mais detalhes quando esse recurso estiver disponível.

O Google é compatível com redirecionamentos?

De acordo com a atualização v1.0.1 sobre as especificações do arquivo ads.txt, o Google aceita um único redirecionamento de HTTP para um destino fora do domínio raiz original (por exemplo, de example1.com/ads.txt para example2.com/ads.txt).

Também são aceitos vários redirecionamentos, desde que todos os locais estejam no domínio raiz original. Por exemplo:

  • de example.com/ads.txt para www.example.com/ads.txt
  • de example.com/ads.txt para subdomain.example.com/ads.txt
  • de example.com/ads.txt para example.com/page/ads.txt

Como faço para configurar um arquivo ads.txt para o Blogger?

Consulte a Central de Ajuda do Blogger para ver as instruções.

Este artigo foi útil para você?
Como podemos melhorá-lo?