Políticas

Perguntas frequentes sobre o GDPR

Por que o Google é um "controlador" de acordo com o GDPR, e não um "processador" de dados?

Examinamos todos os nossos produtos e avaliamos se agimos como um controlador ou processador neles. Operamos como um controlador nos produtos para editores porque tomamos decisões regularmente sobre os dados para oferecer o produto e melhorá-lo.

Por exemplo, se você for um editor do Google AdSense, veicularemos anúncios para seus visitantes. Se seu site for sobre jardinagem, por exemplo, entenderemos que os visitantes são apaixonados por esse assunto. Usaremos esses dados para beneficiar os anunciantes, como um fabricante de cortadores de grama que gostaria de veicular anúncios para apaixonados por jardinagem, mesmo quando eles estiverem acessando sites sobre tópicos diferentes. Como usamos os dados para ajudar partes diferentes, somos controladores, não processadores. Os editores que usam o Google Ad Manager ou o Google Ad Exchange têm mais controle sobre os dados. Eles podem optar por usar os dados da mesma forma que é feito no Google AdSense e a Google AdMob. Também é possível fazer escolhas que limitam o uso dos dados pelo Google, ou seja, impedem que as informações sobre o conteúdo de uma página sejam usadas para exibir anúncios para usuários que visitam um site de outro editor. Existem alguns limites para esses controles: usamos dados com os editores do Google Ad Manager e do Google Ad Exchange para melhorar o produto, incluindo o teste de algoritmos de veiculação de anúncios, monitoramento da latência do usuário final e garantia da precisão do nosso sistema de previsões. Por isso, nós somos um controlador do Google Ad Manager e do Google Ad Exchange, não um processador.

O fato de nossos produtos para editores serem denominados como controladores não concede ao Google direitos adicionais sobre os dados derivados do uso do Google Ad Manager e do Google Ad Exchange pelo editor. O uso que fazemos dos dados continua a ser regido pelos termos do contrato celebrado com os editores e pelas configurações específicas dos recursos escolhidas por eles na interface do usuário dos nossos produtos.

Quais serviços exigem o consentimento dos usuários finais?

Nossa Política de consentimento para usuários da União Europeia fornece detalhes sobre as situações em que o consentimento é necessário. Também atualizamos a página de ajuda relacionada para tirar as dúvidas que recebemos dos nossos clientes.

Essa política também exige que os editores informem aos usuários como os dados serão usados. Para explicar esse processo, incentivamos os editores a fornecer um link para esta página do usuário. Com isso, o requisito da nossa política será cumprido.

Como o Google pretende aplicar o consentimento?

Nossa prioridade sempre será trabalhar com os clientes para respeitar a conformidade. Haverá diversas abordagens para receber o consentimento, mas não é obrigatório seguir uma específica, contanto que nossa política seja cumprida. Por exemplo, sabemos que os editores querem apresentar diferentes opções aos visitantes. Oferecemos sugestões de como solicitar o consentimento em cookiechoices.org, e isso reflete a abordagem que adotamos com nossa ferramenta de consentimento Opções de contribuição, mas os editores podem usar outras alternativas. Não acreditamos em uma abordagem única para todos. A política se aplica aos editores e anunciantes que usam nossos produtos e têm usuários finais no EEE. No entanto, assim como acontece com a política existente, não tomamos uma decisão logo no início do processo. Primeiro, entramos em contato com o cliente para indicar um problema e trabalhamos juntos para solucioná-lo.

Um editor pode usar seus produtos sem obter consentimento? Como isso funcionaria?

Desenvolvemos um modo de anúncios não personalizados para permitir que os editores: 1) apresentem aos usuários do EEE uma opção entre anúncios personalizados e não personalizados; ou 2) escolham veicular somente anúncios não personalizados para todos os usuários do EEE.

Embora os anúncios não personalizados não usem cookies para personalização, eles os utilizam para definir o limite de frequência, gerar relatórios agregados de anúncios e combater fraudes e abusos. Sendo assim, é obrigatório solicitar o consentimento se você quiser usar cookies para essas finalidades em países onde as disposições sobre cookies da Diretiva de privacidade eletrônica são aplicáveis.

Qual é a solução do Google para anúncios não personalizados?

Os anúncios não personalizados oferecem aos usuários do EEE a oportunidade de escolher entre anúncios personalizados e não personalizados ou veicular apenas anúncios não personalizados a todos os usuários do EEE. Os anúncios não personalizados usam somente informações contextuais, incluindo locais gerais (no nível da cidade).

No caso de anúncios não personalizados, o Google não é um processador em vez de um controlador?

De acordo com essa solução, o Google continuará sendo um controlador, porque tomaremos decisões sobre os dados conforme mencionado acima, para oferecer otimização aos editores e melhorar o produto.

O Google confia nos interesses legítimos como base legal ao usar dados pessoais para atividades como veiculação de anúncios contextuais, denúncia de anúncios e combate a fraudes e abusos.

Embora os anúncios não personalizados não usem cookies para personalização, eles os utilizam para definir o limite de frequência, gerar relatórios agregados de anúncios e combater fraudes e abusos. Usamos interesses legítimos para esse processamento no GDPR, mas ainda é obrigatório solicitar o consentimento se você quiser usar cookies para essas finalidades em países onde as disposições sobre cookies da Diretiva de privacidade eletrônica são aplicáveis.

Se um editor usa a estrutura da IAB, que opções ele tem para usar os produtos do Google para editores antes da integração total de venda?

Ainda não estamos integrados à Transparency & Consent Framework (TCF) do IAB. Trabalhamos com o IAB Europe nos últimos meses para descobrir como nossos produtos e políticas podem oferecer suporte ao TCF, mas nossa integração técnica não está completa. 

Até a integração entre o IAB e o Google estar concluída, retornaremos a exibição de anúncios personalizados para os provedores de tecnologia de anúncio selecionados nos controles de ATP do editor. Os editores ainda poderão incluir o sinal de anúncio não personalizado na solicitação ou optar por veicular apenas anúncios não personalizados a todos os usuários no EEE na interface do usuário do Google Ad Manager. Além disso, as especificações técnicas da TCF do IAB são compatíveis com a Web. As especificações para aplicativos para dispositivos móveis não estão finalizadas. 

Se o Google fizer alterações na política, como essas mudanças serão informadas aos editores?

Estamos cientes do impacto das alterações que fazemos na nossa Política de consentimento para usuários da União Europeia. No entanto, se as referências regulatórias mudarem de forma significativa (por exemplo, se os anúncios personalizados passarem a usar interesses legítimos), nossas políticas serão alteradas. Não avisamos com antecedência todas as mudanças nas políticas, mas oferecemos uma exceção às alterações que estamos fazendo na Política de consentimento para usuários da União Europeia. Se houver outras mudanças importantes, faremos o mesmo.

Assim como fizemos nos últimos meses, continuaremos conversando com nossos parceiros editores para compartilhar as atualizações mais recentes e incorporar os comentários deles.

Isso foi útil?
Como podemos melhorá-lo?