Como medida de saúde preventiva para os nossos especialistas do apoio técnico por chat, este serviço estará indisponível. Se necessitar de ajuda com a sua conta do Google Ad Manager, ainda pode contactar o apoio técnico através do menu Contacte-nos abaixo. Lamentamos qualquer inconveniente que esta situação lhe possa causar e agradecemos a sua paciência durante este período. Esta mensagem será atualizada à medida que a situação mudar.

Integração dos publicadores com a TCF v2.0 do IAB

O IAB Europe finalizou a versão 2.0 da respetiva Estrutura de Transparência e Consentimento desenvolvida com o IAB Tech Lab e empresas associadas. Agora, a Google suporta totalmente a TCF v2.0.

A Google não requer a adoção da TCF v2.0. Este artigo descreve alguns detalhes importantes acerca da implementação que os publicadores devem ter em conta se optarem por adotar a TCF v2.0 do IAB.

Enquanto publicador, não tem a obrigação de utilizar a TCF v2.0 do IAB. Pode continuar a utilizar outros meios para agir em conformidade com a nossa Política de Consentimento de Utilizadores da UE.

Para efetuar a integração com a TCF v2.0 do IAB, um publicador tem de implementar uma CMP registada na TCF v2.0 no respetivo site ou app. A CMP cria e envia a string de TC (transparência e consentimento). Em seguida, as etiquetas de anúncios e os SDKs da Google utilizam a string de TC que recebem da CMP.

Orientações gerais

Se já tiver implementado uma CMP registada na TCF v2.0 do IAB no seu site ou app, o Ad Manager começa a utilizar automaticamente a string de TC enviada pela CMP sem precisar de reconfiguração.

Todas as seleções do fornecedor da CMP registada na TCF v2.0 do IAB vão substituir as seleções do fornecedor de tecnologia de anúncios nos controlos de consentimento de utilizadores da UE. Isto também se aplica no caso de ter selecionado a publicação de anúncios não personalizados para todos os utilizadores do EEE através dos controlos de consentimento de utilizadores da UE.

Se tiver definido ANP no pedido de anúncios, vamos verificar essa definição, assim como o consentimento indicado pela string de TC, e aplicar a definição mais conservadora.

  • Transmitir a string de TC para etiquetas: as etiquetas da GPT, de passbacks da GPT, do AdSense e do Ad Exchange vão comunicar automaticamente com a CMP do IAB para encaminhar a string de TC para o Ad Manager sem a configuração do publicador. O SDK para IMA e o SDK de anúncios para dispositivos móveis vão obter, analisar e respeitar automaticamente a string de TC no armazenamento local. Quando os publicadores do Ad Manager utilizam Pedidos sem etiquetas em vez de uma etiqueta do anúncio para solicitar o código de criativo não processado gerido no servidor de anúncios, não temos etiquetas na página que possam interagir com a API da CMP. Neste caso, dependemos de os publicadores nos enviarem a string da TCF nos parâmetros de URL definidos pela especificação da TCF. Para o fazerem, os publicadores têm de transmitir manualmente os seguintes sinais: gdpr={0,1} e gdpr_consent={tc string}. Opcionalmente, também pode transmitir addtl_consent={ac string}.
    O Ad Manager não solicita anúncios até receber uma string de TC válida.
  • Transmitir a string de TC para canais programáticos: a string de TC do IAB é transmitida automaticamente para os canais programáticos da Google, sem necessidade de configuração por parte dos publicadores.
  • Transmitir a string de TC para criativos não programáticos: colabore com o fornecedor de criativos para identificar se é necessária qualquer configuração adicional para os seus criativos, de forma a garantir que utilizam a string de TC corretamente. O Ad Manager suporta as macros da TCF do IAB (${GDPR}, ${GDPR_CONSENT_XXXX} e ${ADDTL_CONSENT}) para permitir a transmissão manual da string de TC para outros fornecedores de criativos, conforme necessário. Saiba mais sobre a TCF v2.0 do IAB e as reservas.
  • Transmitir a string de TC para parceiros de mediação: a string de TC do IAB estará disponível no armazenamento local dos dispositivos (NSUserDefaults no iOS ou SharedPreferences no Android) e acessível a todos os parceiros de mediação para a obterem, analisarem e respeitarem quando forem chamados num pedido da hierarquia de publicação da mediação.

Requisitos: anúncios personalizados e não personalizados

As nossas diretrizes de interoperabilidade destinam-se a refletir os requisitos da política existente da Google, em particular os requisitos da Política de Consentimento de Utilizadores da UE e as nossas políticas contra fingerprinting para identificação (por exemplo, as incluídas nos Requisitos para a publicação de anúncios de terceiros). As Políticas da Google continuam a aplicar-se e são mais restritivas do que a TCF v2.0 em alguns casos.

Os publicadores devem rever as definições de registo dos fornecedores com os quais optam por trabalhar através da TCF v2.0. Os requisitos seguintes aplicam-se especificamente quando a Google é um fornecedor na CMP do publicador.

Requisitos de publicação de anúncios personalizados

A Google vai publicar anúncios personalizados quando todos os critérios seguintes forem cumpridos:

  • O utilizador final dá consentimento à Google para:
    • Armazenar e/ou aceder a informações num dispositivo (objetivo 1)
    • Criar um perfil de anúncios personalizados (objetivo 3)
    • Selecionar anúncios personalizados (objetivo 4)
  • O interesse legítimo é estabelecido (ou é dado o consentimento, quando um publicador configura a respetiva CMP para utilizar Restrições para publicadores para solicitar o consentimento para a Google) para a Google poder:
    • Selecionar anúncios básicos (objetivo 2)
    • Medir o desempenho dos anúncios (objetivo 7)
    • Aplicar a pesquisa de mercado para gerar informações sobre o público-alvo (objetivo 9)
    • Desenvolver e melhorar produtos (objetivo 10)

Requisitos de publicação de anúncios não personalizados

Se os requisitos de anúncios personalizados não forem cumpridos, a Google vai publicar anúncios não personalizados quando todos os critérios seguintes forem cumpridos:

  • O utilizador final dá consentimento à Google para:
    • Armazenar e/ou aceder a informações num dispositivo (objetivo 1)
  • O interesse legítimo (ou o consentimento, quando um publicador configura a respetiva CMP para o solicitar) é estabelecido para a Google poder:
    • Selecionar anúncios básicos (objetivo 2)
    • Medir o desempenho dos anúncios (objetivo 7)
    • Aplicar a pesquisa de mercado para gerar informações sobre o público-alvo (objetivo 9)
    • Desenvolver e melhorar produtos (objetivo 10)
Se nenhum dos conjuntos de requisitos acima for cumprido, não serão publicados quaisquer anúncios.

Vamos processar os cenários seguintes de acordo com a tabela abaixo:

Descrição Comportamento de publicação de anúncios

Falta de consentimento para a Google armazenar e/ou aceder a informações num dispositivo (objetivo 1)

De acordo com a nossa Política de Consentimento de Utilizadores da UE existente, o consentimento para a utilização de cookies ou identificadores de dispositivos móveis é necessário para anúncios personalizados e não personalizados. No caso dos anúncios não personalizados, o consentimento para a utilização de cookies ou identificadores de dispositivos móveis continua a ser necessário porque os anúncios não personalizados continuam a utilizar cookies ou identificadores de dispositivos móveis para combater fraudes e abusos, definir limites de frequência e gerar relatórios de anúncios agregados.

Se não tiver o consentimento para o objetivo 1, a Google vai tentar publicar um anúncio limitado, caso tenha interesse legítimo ou consentimento para os objetivos 2, 7, 9 e 10.

Âmbito global e âmbito fora da banda

De acordo com a nossa Política de Consentimento de Utilizadores da UE existente, tem de identificar claramente cada uma das partes que pode recolher, receber ou utilizar dados pessoais de utilizadores finais como consequência da sua utilização de um produto Google. Saiba mais acerca do âmbito da base legal.

Uma vez que não é possível identificar claramente todas as partes nos casos em que se utiliza o âmbito global, não o suportamos. Durante o período de transição que começa quando iniciarmos a leitura e a transmissão da string de TC para todos os pedidos de anúncios, vamos publicar anúncios não personalizados para permitir que os publicadores efetuem ajustes. Depois de o período de transição de três meses terminar, não vamos publicar um anúncio se a string de TC indicar "Fora da banda" ou "Âmbito global".

String de TC inválida

A string de TC não é analisável (por exemplo, alguns campos estão em falta).

Durante o período de transição que começa quando iniciarmos a leitura e a transmissão da string de TC para todos os pedidos de anúncios, vamos publicar anúncios não personalizados para permitir que os publicadores efetuem ajustes. Depois de o período de transição de três meses terminar, não vamos publicar um anúncio se a string de TC for inválida.

Registo de fornecedores flexível e Restrições para publicadores

A TCF v2.0 dá aos publicadores a capacidade de personalizarem várias restrições. Estas permitem que os publicadores indiquem as respetivas preferências, que terão prioridade sobre as preferências de um fornecedor, sempre que aplicável. Os publicadores nunca podem forçar um fornecedor a operar ao abrigo de uma base legal ou no âmbito de um objetivo que esteja em conflito com o registo do mesmo na Lista global de fornecedores. Como tal, estas são denominadas restrições, pois nunca expandem o âmbito daquilo que um fornecedor pode fazer, apenas o restringem.

Os publicadores devem rever as definições de registo dos fornecedores com os quais optam por trabalhar através da TCF v2.0. Caso um fornecedor tenha um registo flexível com o "interesse legítimo" como base legal predefinida para um objetivo para o qual a Google exige o "consentimento" de acordo com as diretrizes de interoperabilidade, se um publicador quiser trabalhar com esse fornecedor através de produtos Google, deve escolher o consentimento para o mesmo nas Restrições para publicadores da respetiva CMP.

A Google tem um registo flexível para os objetivos 2, 5, 6, 7, 9 e 10 e a predefinição é interesse legítimo. A menos que um publicador configure a respetiva CMP de forma a que a Google tenha de obter consentimento para estes objetivos, a Google vai basear-se no interesse legítimo nas situações em que a CMP o tenha estabelecido junto do utilizador. A Google não tem um registo flexível para os objetivos 1, 3 e 4 e exige sempre o consentimento para estes objetivos.

O Funding Choices vai criar automaticamente Restrições para publicadores de forma a que seja escolhido o consentimento para os objetivos 3 e 4, caso um fornecedor tenha um registo flexível.

Âmbito da base legal

A TCF v2.0 do IAB tem opções para os publicadores escolherem o âmbito de uma base legal para o processamento de dados pessoais, conforme descrito abaixo. Estas informações são transmitidas através da string de TC. As Políticas da Google exigem que os publicadores escolham (a) um âmbito específico do serviço ou (b) um âmbito específico do grupo.

  • Âmbito específico do serviço: uma base legal é aplicável apenas no serviço, como, por exemplo, o Website ou a app de um publicador, através do qual a base legal é obtida e gerida. (PERMITIDO quando trabalha com a Google)
  • Âmbito específico do grupo: uma base legal é aplicável apenas num grupo predefinido de serviços como, por exemplo, uma série de propriedades digitais de um ou mais publicadores que implementem CMPs com o âmbito do respetivo grupo, em que cada uma delas permite que os utilizadores efetuem a gestão das respetivas escolhas relativas às bases legais estabelecidas para o grupo em todos os serviços do grupo. Todas as propriedades digitais integrantes têm de ser divulgadas no momento em que se obtém o consentimento. (PERMITIDO quando trabalha com a Google)
  • Âmbito global: uma base legal é aplicável não só no serviço através do qual a base legal é obtida e gerida, mas também em todas as propriedades digitais do publicador que implementem CMPs com o âmbito global, em que cada uma delas permite que os utilizadores efetuem a gestão das respetivas escolhas relativas às bases legais estabelecidas globalmente em todas essas propriedades digitais do publicador. (NÃO PERMITIDO quando trabalha com a Google)
  • Fora da banda ("OOB"): uma base legal não foi estabelecida através da estrutura e, como tal, não está refletida em nenhum dos sinais na estrutura nem pode ser gerida pelos utilizadores na mesma. (NÃO PERMITIDO quando trabalha com a Google)

Os publicadores devem escolher o âmbito específico do serviço (ou específico do grupo) se pretenderem trabalhar com a Google.

Modo de Consentimento Adicional

O Modo de Consentimento Adicional é uma especificação técnica temporária destinada apenas à utilização em conjunto com a Estrutura de Transparência e Consentimento (TCF) v2.0 do IAB Europe para servir como uma ponte para fornecedores que ainda não estão registados na Lista global de fornecedores (GVL) do IAB Europe. Esta especificação permite que os publicadores, os fornecedores de gestão do consentimento (CMPs) e os parceiros reúnam e propaguem um consentimento adicional — em conjunto com a implementação da TCF v2.0 — para empresas que ainda não estão registadas na Lista global de fornecedores do IAB Europe, mas estão na lista de fornecedores de tecnologia de anúncios (ATP) da Google.

Saiba mais acerca do Modo de Consentimento Adicional.

Lance em tempo real (RTB) e Open Bidding

Aplica-se a todas as transações de lances em tempo real e Open Bidding, incluindo ofertas especiais de Direcionamento programático

A lógica da TCF v2.0 do IAB aplica-se aos pedidos de lances, respostas com lances e pedidos de correspondência de cookies.

Permitimos que os pedidos de lances sejam enviados e ativamos a correspondência de cookies quando um fornecedor estiver registado com "Consentimento" ou, em casos limitados, "Não utilizado" para fins de personalização de anúncios (objetivos 3 e 4 na string de TC). Os fornecedores registados com "Consentimento" para fins de personalização de anúncios (objetivos 3 e 4 na string de TC) que não tiverem obtido consentimento do utilizador:

  • Não recebem pedidos de lances.
  • Não recebem uma resposta a pedidos de correspondência de cookies.

Adicionalmente, o utilizador tem de ter dado consentimento à Google para os objetivos 1, 3 e 4.

Reservas

Lançámos uma solução para suportar a TCF v2.0 do IAB para reservas, incluindo controlos para indicar os fornecedores com quem trabalha para fins das reservas. Qualquer que seja o momento em que opte por efetuar a integração com a TCF v2.0 do IAB, esta solução só vai afetar a publicação de reservas quando a Google começar a ler e transmitir a string de TC para todos os pedidos de anúncios. Fornecemos acesso antecipado aos novos controlos para que os publicadores se possam familiarizar com os mesmos antes de sofrerem qualquer impacto no fornecimento de anúncios.

Saiba mais acerca da declaração de fornecedores de tecnologia de anúncios para criativos em campanhas de reserva do Ad Manager.

Mediação

Se tiver optado por adotar a solução da TCF v2.0 do IAB, certifique-se de que inclui todos os parceiros de mediação na sua CMP. Desta forma, garante que a Google pode continuar a efetuar pedidos de lances a todos os parceiros da sua hierarquia de publicação da mediação.

A publicação vai avaliar as strings de AC e TC antes da construção da hierarquia de publicação da mediação e identificar se o parceiro de mediação está presente numa das strings.

  • Se o parceiro de mediação estiver presente e o utilizador tiver dado consentimento ou o interesse legítimo tiver sido estabelecido para, pelo menos, um objetivo, o parceiro de mediação será incluído na hierarquia de publicação da mediação quando esta estiver em construção.
  • Se o parceiro de mediação não estiver presente ou tiver sido completamente recusado pelo utilizador, o parceiro de mediação não será chamado na hierarquia de publicação da mediação.

Correspondência de cookies

Suportamos os campos gdpr e gdpr_consent para transmitir as informações de consentimento da TCF v2.0 em pedidos de sincronização de cookies recebidos e enviados. Estes parâmetros são opcionais.

Caso os parâmetros &gdpr e &gdpr_consent estejam presentes no pedido de correspondência de cookies, o Ad Manager vai sincronizar os cookies com pedidos de fornecedores terceiros se todos os critérios seguintes forem cumpridos:

  • O utilizador final dá consentimento à Google para:
    • Armazenar e/ou aceder a informações num dispositivo (objetivo 1)
    • Criar um perfil de anúncios personalizados (objetivo 3)
    • Selecionar anúncios personalizados (objetivo 4)
  • O interesse legítimo (ou o consentimento, quando um publicador configura a respetiva CMP para o solicitar) é estabelecido para a Google poder:
    • Selecionar anúncios básicos (objetivo 2)
    • Medir o desempenho dos anúncios (objetivo 7)
    • Aplicar a pesquisa de mercado para gerar informações sobre o público-alvo (objetivo 9)
    • Desenvolver e melhorar produtos (objetivo 10)​
  • O utilizador final não autoriza que o fornecedor utilize o interesse legítimo para "Criar um perfil de anúncios personalizados" (objetivo 3).
  • O utilizador final não autoriza que o fornecedor utilize o interesse legítimo para "Selecionar anúncios personalizados" (objetivo 4).
  • Os fornecedores não se registam para "Analisar ativamente as caraterísticas do dispositivo para identificação" (funcionalidade especial 2) ou registam-se para a funcionalidade especial 2, mas a string de transparência e consentimento (TC) indica que o utilizador não optou por receber a funcionalidade especial 2.
  • Todos os fornecedores têm de se registar para, pelo menos, um objetivo e ter obtido uma base legal válida para esse objetivo.
  • O utilizador final dá consentimento ao fornecedor para "Armazenar e/ou aceder a informações num dispositivo" (objetivo 1).
A informação foi útil?
Como podemos melhorá-la?

Precisa de mais ajuda?

Inicie sessão para obter opções de apoio técnico adicionais e resolver rapidamente o seu problema.

Pesquisa
Limpar pesquisa
Fechar pesquisa
Google Apps
Menu principal
Pesquisar no Centro de ajuda
true
148
false